domingo, julho 09, 2017

O Eterno Retorno : parte 2

– Eu vou montando a história aos poucos, e ela vai ficando mais completa a cada vez que você conta. É que tem coisas que eu demoro para imaginar, como os homens, por exemplo. Eu nunca vi nenhum a não ser nos livros de Maryan.
-- Pois é mais do que suficiente – replicou a avó, em tom brusco. – Os homens... Bem, olhados um a um, nem sempre são maus. Seu avô era muito bom, e havia outros assim, não vou negar. Mas, quando você vive nas aldeias deles, começa a ver como podem fazer coisas ruins. Principalmente as guerras. E mesmo sem elas há muita ganância, injustiça, maldade... Não, você não perde nada se não conhecer os homens, ou se deixar para conhecê-los quando for mais velha.
-- Sim, mas, avó, se ao menos a gente fosse até a cabana...
-- Você não ouviu o que eu disse? É longe demais, e pode ser que homens estranhos ainda passem por lá. Um dia você vai, mas não agora.
-- Um dia? Quando?
-- Quando... Quando não depender de mim e puder ir sozinha – disse Kyara, querendo encerrar a discussão.
Anna pareceu refletir um pouco, depois assentiu e pescou uma coxa rosada de dentro do pote. Kyara fez o mesmo com um naco do peito da ave. As duas comeram em silêncio, tirando cada pedacinho de carne dos ossos e usando colheres de madeira para pegar os legumes no caldo. Estavam terminando quando Tyshen, o primo mais próximo de Anna em idade, chegou acompanhado por várias crianças pertencentes à Casa do Lobo.
-- Ainda estão comendo? Aposto que foi a Anna que se atrasou fazendo o almoço – implicou ele, como era seu costume.
-- Você é que é apressado! – retrucou a menina. – Apressado e guloso. Quando formos colher bagas, não vou deixar você ir na frente. Se você for, tudo que acharmos nos arbustos vai parar na sua barriga!
Kyara sorriu, vendo-os trocar as farpas de sempre enquanto Anna acabava de comer. As outras crianças entraram na cabana, sem cerimônia – coisa que não existia na tribo --, e se distraíram bisbilhotando tudo lá dentro. Por fim, o grupo se reuniu e se preparou para a excursão de coleta, para a qual levavam cestos de junco e bolsas de palha a tiracolo.
-- Até mais, Kyara! – exclamaram as crianças.
-- Até mais tarde, avó – disse Anna, jogando um beijo que ela retribuiu com um aceno e um breve sorriso. Estava ocupada livrando-se dos restos do almoço, das cinzas da fogueira, dos pensamentos sobre o passado e sobre Raymond de Pwilrie. Artista ambulante, soldado involuntário, guarda-caça que assoviava chamando os pássaros e enchia os bolsos de nozes para dar aos esquilos. Ele teria gostado de conhecer aquela neta inteligente e curiosa, sonhadora e às vezes desconcertante, como ele próprio tinha sido a vida inteira. Talvez se saísse até melhor do que Kyara para lidar com ela.
A elfa deixou escapar um suspiro e entrou para guardar o pote e as colheres lavadas. A cabana estava limpa, embora um pouco desarrumada após a visita das crianças. Era pequena e aconchegante, alegrada pelos desenhos que Anna prendera às paredes. Uma paisagem com o rio da Lontra, um pássaro pernalta, os rostos de Kyara, Maryan e Zendak. O último desenho representava os Espíritos Guardiões da tribo, Lobo, Lontra e Corvo, os três muito sérios e majestosos, circulados por auras de tinta verde. Kyara correu os dedos sobre o papel, sentindo orgulho e uma certa nostalgia: às vezes ela se esquecia de notar, mas Anna estava crescendo rápido. Em poucos anos teria o sonho ou a intuição que lhe diria qual a sua Casa, aquela à qual seu espírito estava ligado. Por enquanto contava como protegida do Lobo, já que essa era a Casa da avó. Zendak supunha que isso seria confirmado, mas não dera certeza: a menina era alegre e amorosa como as lontras, esperta e criativa como os corvos, ambos os Guardiões poderiam reclamá-la. Mas Kyara estava convencida de que, no fim, sua neta provaria ser antes de tudo corajosa e leal.
O céu estava encoberto quando ela saiu da cabana. Não tinha nada que a ocupasse, nem peles para tratar, nem carne para pôr no defumadouro. No entanto, ficar ali sozinha não lhe traria nada além de lembranças, por isso a elfa decidiu seguir a sugestão de Anna e ver se alguma coisa caíra naqueles laços malfeitos. E, quando souber quem os armou, vou tentar ajudar, ela pensou, enquanto regressava à floresta. Devia ser alguém bem jovem, talvez uma criança querendo impressionar os pais ou o parente que a ensinava a caçar. E um conselho vindo de alguém como Kyara seria mais que bem-vindo.
Sem pressa, ela deu uma volta por trás da colina próxima à cabana, onde costumava deixar suas próprias armadilhas nas luas de inverno, e chegou a uma trilha íngreme, por onde se cortava caminho até o lugar que chamavam de Carvalho Fendido. Nele se erguia uma árvore milenar, cujo tronco fora dividido ao meio por um raio; as duas metades haviam crescido e estendido seus galhos para o leste e para o sul, e esse era o início de duas trilhas quase invisíveis. Uma ia dar ao local dos laços desajeitados, enquanto a outra desembocava no lugar onde Kyara tinha estado uma única vez.
E, no que dependesse dela, não voltaria jamais.
Passos rápidos, a elfa seguiu a trilha que ia para o leste. De longe, viu um dos laços, agora desarmado, mas o animal que fizera aquilo escapara quebrando os galhos de um arbusto próximo. Na verdade, nem chegara a ficar preso, como Kyara constatou ao chegar mais perto. Apenas passara por cima da armadilha e a desmontara. Tinha peso e força bastante, pois suas pegadas denunciavam um cervo de bom tamanho. O caçador ia ficar frustrado quando desse com aquilo.
A segunda armadilha estava intocada, mal disfarçada num monte de folhas e fácil de desarmar. Era coisa de criança, não havia dúvida. Restava saber qual delas se aventurara tão longe. Kyara considerou as mais ousadas e inconsequentes dentre as que conhecia, pensando ainda em ajudar, mas também recomendar que tivessem cautela. Tinha alguns nomes em mente ao chegar à terceira armadilha, também intacta, que apenas olhou antes de seguir em frente – e de se deparar com algo que fez seu coração dar um salto.
Uma pegada. Não a de um animal, não a de um elfo de sua tribo, que estaria usando um mocassim, mas a inequívoca pegada de um humano, um enorme pé largo calçado numa bota com a beira interior roída. Não havia engano possível, pois ela vira aquilo muitas vezes, rastreando caçadores furtivos na floresta junto à qual vivera com Raymond – fazendo o trabalho dele, o que todos pensavam que ele fazia, quando Raymond estava mais que contente por ficar na choupana cozinhando, remendando as roupas da família, ninando a filha com canções do Leste ou, quando ela cresceu um pouco, contando histórias sobre reis saltimbancos, feiticeiras bondosas e navios mágicos que viajavam entre as estrelas. Era com relutância que denunciava as transgressões descobertas por Kyara – aqueles homens e rapazes temerários que caçavam nas terras do senhor, às vezes por simples ousadia, mas com frequência porque tinham fome e muitas bocas para sustentar. Teria sido um deles, agora, que entrara no território da tribo?
Não é uma criança. Kyara e Raymond jamais denunciavam os meninos da aldeia que pegavam pássaros e lebres, pois sabiam que um castigo duro demais os esperava. Tinham livrado alguns homens também -- os muito jovens, os muito desesperados, os que não tinham chegado a apanhar nenhum animal --, mas não os deixavam ir embora sem ao menos uma advertência. Da mesma forma, Kyara, como anciã da Casa do Lobo, tinha por dever encontrar o dono da pegada e fazer com que partisse, mesmo que não pegasse nada com aquelas armadilhas toscas. Antes que ele avançasse mais e mais pela floresta e achasse as cabanas da tribo. Antes que desistisse de conseguir caça e fosse à cata de frutas. Antes que desse com as crianças que estavam na trilha... e, acima de tudo, antes que chegasse perto de sua Anna.
Um pingo grosso caiu em seu nariz. Ela olhou para o céu, onde as nuvens escuras se adensavam, e considerou suas opções. A neta, é claro, estava acima de tudo, mas as crianças não costumavam demorar na coleta, e a pegada apontava para outra direção, de forma a tranquilizá-la nesse sentido. Voltar à cabana para se munir de um arco e algumas flechas seria prudente, ou talvez procurar Zendak e os líderes das três Casas, mas o rastro estava fresco e fácil de seguir. Antes que a chuva caísse, e cairia com força, melhor seria tentar descobrir quem era o homem, se estava sozinho, se montara acampamento por ali ou estava de passagem. Assim teria mais informações para levar à tribo, se necessário. Sim, era isso que ela ia fazer.
Kyara se abaixou, examinando o solo além da pegada. A lama em que fora impressa deixara marcas mais adiante, depois era só relva pisada e folhas amassadas, mas mesmo assim aquilo não demandava grande esforço. Passo a passo, enquanto o céu escurecia ecoando trovões, ela seguiu a trilha deixada pelo homem, tão descuidado em apagar seu rastro quanto se mostrara inábil com as armadilhas.
O céu desabou quando a elfa alcançou a vereda conhecida como Passo das Lebres, que eram comuns por ali, especialmente na primavera. Hoje não havia nenhuma, e, se tivessem passado mais cedo, os rastros já teriam sido lavados pela chuva que caía como uma cascata. Os do homem também logo sumiriam. Kyara examinou os últimos vestígios, que ao menos conduziam para longe das cabanas da tribo, e se aprumou, quase decidida a dar meia-volta.
Foi quando seu coração disparou pela segunda vez.

***


Parte 1.
Parte 3.

Para quem gostou da Anna criança, sugiro o livro Anna e a Trilha Secreta, onde ela encontra os Espíritos Guardiões da Tribo.

No blog do Castelo há contos sobre Kyara e Raymond. O primeiro pode ser até ouvido, narrado por mim. Que tal? :)

4 comentários:

Astreya disse...

Esse final... aaaah, o que vai acontecer? Quem é o intruso? Curiosíssima!

Muito, muito boa esta parte do conto, o modo como vamos mergulhando nas memórias e reflexões da Kyara para depois andarmos junto a ela pela floresta, sentindo tensão e curiosidade. Mal posso esperar pelo próximo!!! Mas o que acho ainda mais bacana é como estas suas histórias estão mexendo com minha memória afetiva. Tenho três avós (uma de coração, que amo muito), a paterna não conheci tanto, mas todas tiveram/têm papeis definitivos na minha vida, são exemplos de mulher que levo com carinho e me passaram lições que nunca esquecerei, como acontece com Anna e sua avó.

Ana disse...

Obrigada! Que bom que a história está conseguindo te tocar. A ideia era essa, contos não muito espetaculosos, mais do tipo singelo mesmo... Espero que leia até o fim e curta os que ainda faltam!

ALE DOSSENA disse...

Passando atrasada para maratonar as postagens. Mas aí a autora termina desse jeito aí (com todo o suspense do mundo!) e me obriga a comentar rapidamente porque preciso ler a continuação!!! rs

Sheila Lima Wing disse...

Kyara sempre tão preocupada com sua pequena Anna! Muito interessante adentrar nos pensamentos dela, e também começar a experimentar certa tensão no final!
Prometo que agora lerei tudo o que não li, estou devendo muito...hehe.