quinta-feira, dezembro 29, 2016

Leituras Mais Legais de 2016 - 10 Livros Estrangeiros



Pessoas Queridas,

Já falei sobre os livros nacionais que mais me deram prazer este ano. Chegou a vez dos estrangeiros, e a lista final está bem variada. São quatro livros de fantasia, seis de ficção realista; quatro autoras e seis autores; pelas nacionalidades, três norte-americanos, um japonês, uma malaia de origem chinesa, uma somali, um espanhol, um italiano, um português e um timorense (lusófono - portanto, juntando esta lista com a dos nacionais, sete dos quinze livros indicados foram escritos em língua pátria).

Os livros abaixo estão elencados pela ordem em que os li. Por acaso o favorito foi o primeiro, mas não aponto preferências entre os demais. Alguns já são mais que badalados, mas  tenho certeza de que outros são desconhecidos pela maioria. Espero que curtam as indicações, tanto quanto eu curti ler cada um deles.

Vamos lá?


Golem e o Gênio - Helene Wecker

Nem preciso apresentar, não é? A fantástica história que envolve o gênio Ahmad e a golem Chava em meio a um efervescente bairro de imigrantes em Manhattan, conquistou os corações de muitos leitores. Foi o primeiro livro que li neste ano e não deixou o topo da lista de favoritos, pois, além de ter uma temática que adoro, soma todos os fatores que fazem um livro excelente: história incrivelmente bem urdida, ótimo trabalho de pesquisa, personagens bem construídos, com os quais é fácil simpatizar ou antipatizar (que vilão sórdido!) e uma narrativa que não deixa nada a dever à de Sherazade, Quem não leu ainda, faça um favor a si mesmo/a e leia. Não vai se arrepender nem um pouquinho.

A Assinatura de Todas as Coisas - Elizabeth Gilbert

A autora de "Comer, Rezar, Amar" (que eu comprei, mas não cheguei a ler) brindou seus leitores com uma excelente história: a de Alma Whittaker, estudiosa de botânica, nascida na virada dos anos 1800, disposta a ir até o fim do mundo (eu diria que literalmente) para procurar o objeto do seu interesse, que dá também sentido à sua vida. Um admirável trabalho de pesquisa cria o cenário perfeito para os movimentos de Alma e de outros personagens complexos, críveis, dignos de simpatia e às vezes de pena. Recomendadíssimo.

A Noiva Fantasma - Yangsze Cho

A partir de um costume tradicional da China - o de celebrar o casamento entre uma jovem viva e um rapaz já falecido, a fim de aplacar seu espírito - a autora malaia, de origem chinesa, conta a história de Li Lan, que mergulha no assombroso mundo existente atrás das cortinas da morte, povoado por fantasmas, antepassados e seres não-humanos. Um deles será uma espécie de protetor em sua jornada, mais tarde se revelando como... ora. Quem sabe o que tem do outro lado antes de chegar lá? Quem vai saber como continua sem ler o livro? :)

O Gigante Enterrado - Kazuo Ishiguro

Este não é um livro fácil de ler, tem uma prosa muito densa e trabalhada, mas é um ótimo livro, repleto de significado. Trata-se, antes de tudo, de uma fábula sobre a velhice, sobre a memória e sobre a capacidade de perdão, na qual se acompanha a jornada de um casal de idosos que se dirige à aldeia onde vive seu filho. Seres fantásticos e personagens dos livros de cavalaria dão o toque de sobrenaturalidade, mas eu vejo esse livro como algo profundamente psicológico - e aqui um aviso para quem procura uma narrativa mais leve: "O Gigante"passa longe da literatura de entretenimento. Deixem para um momento em que estiverem mais concentrados e querendo refletir. Aí, vão gostar bastante;

Réquiem Para o Navegador Solitário - Luis Cardoso

Não conhecia, comprei por impulso e não me arrependi nem um pouco. O livro do escritor timorense conta a história de Catarina, uma jovem que sai de sua casa e vai para a fazenda Sacromonte, de propriedade de um capitão dos portos de quem é, ou foi, uma espécie de noiva. Ela se envolve com questões pessoais e políticas enquanto aguarda a chegada de alguém que vem pelo mar - alguém que não é sempre a mesma pessoa, que sempre torna a partir, que sempre a deixa só, porém cada vez mais sólida e madura. Não se trata de uma história contada de modo linear e convencional, a prosa do autor é fantástica, conferindo ao livro um tom de luz e sombra que fascina quem o ler. Vale a pena.

Elantris - Brandon Sanderson

Eu comecei o ano convicta de que leria "Mistborn", de que ouço falar tão bem. Mas é um livro grosso, que está bem bonitinho lá na estante; eu costumo ler no Kindle do celular, e lá tinha esse livro. O cenário é uma cidade que perdeu a Magia e cujos moradores começaram a ser atacados por uma estranha doença, que os obrigava a se retirar e viver em um lugar tenebroso; os protagonistas são um casal de príncipes, prometidos um ao outro, que têm de fazer as coisas acontecerem em meio ao drama pessoal e ao caos político. Embora tenha achado que alguns problemas se resolviam facilmente demais, o livro me agradou pela construção do universo, pela capacidade do autor de nos fazer enxergar os lugares descritos e pelo tratamento que dá à Magia. Mais uma razão para eu me lançar à leitura de "Mistborn" qualquer hora dessas.

O Pomar das Almas Perdidas - Nadifa Mohamed

A autora somali conta as histórias entrelaçadas de três mulheres em meio à ditadura militar, nos anos 1980: Deqo, uma menina num campo de refugiados, Kawsar, uma viúva que se vê presa e agredida por uma soldado, e Filsan, sua agressora, que busca provar seu valor em meio aos colegas e superiores homens, mas irá se transformar ao longo de suas vivências. É um livro forte, com imagens fortes e posicionamentos claros; é uma obra sensível e bem escrita. Boa para ler nos dias de hoje.

Como Deus Manda - Niccolò Ammaniti

Outra obra comprada por impulso, numa banca de rua. A capa diz que ganhou um prêmio literário, e acho que mereceu: a prosa é muito boa e a história é bem construída, com destaque para os personagens Rino (pai) e Cristiano (filho), que se amam e se odeiam em meio a um ambiente de pobreza, violência e desencanto quanto à vida e ao futuro. Para quem gosta de histórias mais cruas.

A Bibliotecária de Auschwitz - Antonio G. Iturbe

Eu quase não sou suspeita, pois sou bibliotecária, mas acho que muitos de vocês conhecem e gostam deste livro. Baseado em fatos reais, conta a história da adolescente Dita, uma das prisioneiras no campo de concentração de Auschwitz, que detinha a importante missão de esconder e proteger os poucos e velhos livros disponíveis para os prisioneiros. Juntamente com Fredy Hirsch, um dos líderes do campo, ela era responsável por manter acesa a chama da curiosidade, do amor à leitura e às histórias - a chama da esperança. É um livro habilmente escrito e com uma bela mensagem.

Índice Médio de Felicidade - David Machado

Num texto fluido e objetivo - mas nem por isso raso - o livro conta a história de Daniel, que está desempregado, longe da mulher e dos filhos e às voltas com amigos tão próximos quanto excêntricos. Um está preso, e seu filho vem se metendo em problemas; outro nunca sai de casa, mas de lá mesmo criou uma rede social cujo objetivo, bastante vago, é de ajudar as pessoas que precisam, em qualquer lugar, a fazer qualquer coisa. A oportunidade de finalmente fazer isso representa uma virada na vida de Daniel. Não achei maravilhoso, mas vale a pena ler e conhecer o trabalho de David Machado, tido como um dos melhores autores portugueses contemporâneos.

*****

Bom, Pessoas, é isso aí. Já conheciam os livros acima? Não todos, aposto. Dos que conheciam, o que acharam? E dos que nunca tinham ouvido falar, ficaram com vontade de ler algum?

Compartilhem suas impressões. E até breve!

terça-feira, dezembro 27, 2016

Leituras mais Legais de 2016 - 5 Livros Nacionais



Pessoas Queridas,

Como já é tradição aqui na Estante Mágica, vou dar uma palhinha sobre as leituras mais legais deste ano. As indicações são fruto de um cruzamento entre meu gosto pessoal - ou seja, o prazer puro e simples que essas obras me proporcionaram - e o reconhecimento de qualidades literárias dos mais diversos tipos: boa pesquisa, cenário interessante, boa imersão na psicologia dos personagens, estrutura narrativa consistente e por aí vai. Não quer dizer que não tenha havido outros livros igualmente ótimos, mas estes cinco estão no topo da lista de leituras, no que se refere a autores brasileiros.

Vamos lá?


- O Esplendor - Alexey Dodsworth

O primeiro livro da lista, e meu favorito de 2016 entre os nacionais, se passa num planeta chamado Aphriké, iluminado por vários sóis e habitado por uma raça com altas qualidades telepáticas. Num momento de grande comoção, um menino, nascido diferente dos outros, terá de se envolver com bárbaros e rebeldes para descobrir a verdade sobre seu universo. A trama é complexa e envolvente, e a escrita e os diálogos são tão fluidos que o livrão de mais de 400 páginas se escoa sem que a gente perceba. Nomes e detalhes culturais são inspirados na cultura e na mitologia da África, o que transporta você para uma estética e referências relativamente pouco exploradas por aqui (outro autor que faz isso muito bem é João Beraldo, que este ano lançou "Último Refúgio", misturando África e Ásia de forma saborosa; quem não conhece, procure conhecer!).

Voltando a "O Esplendor": por meio de uma sacada genial de construção narrativa, este livro é ao mesmo tempo a prequel e uma sequência de "Dezoito de Escorpião", outra obra do Alexey, que eu considero um dos melhores nomes da literatura fantástica brasileira no momento. No finzinho do ano tive ainda o prazer de ler seu e-book "Glamour", com outra temática, mas muito bom também. Recomendo sem restrições o trabalho do autor.

- Luxúria - Fernando Bonassi

Este é um livro agridoce. Trata de uma família chefiada por um metalúrgico que, por um breve período de vacas gordas na economia, experimentou uma alta no poder aquisitivo e uma ligeira ascensão social. O homem decide então proporcionar um item de luxo à família - uma piscina - sem atentar, pelo menos a princípio, na disfunção das relações familiares, no deterioramento da ética do trabalho, na inversão dos valores socioculturais, quando tudo se resume a ostentação e consumo. As coisas se tornam cada vez mais sufocantes para todos os personagens, o que é potencializado pela extrema habilidade narrativa e descritiva do autor. É uma denúncia, uma crítica, mas sobretudo uma crônica realista e desencantada dos tempos que vivemos.

- Metrópole : despertar - Melissa de Sá

Primeiro volume de uma série de distopia para jovens e adultos, este livro conta a história de Andrella, criada segundo os padrões de uma sociedade em que as pessoas têm de ser absolutamente perfeitas em seus resultados escolares e profissionais. Um acontecimento repentino envolvendo o tio que a criou faz com que a garota se veja subitamente em meio a um cenário impactante, porém oculto por uma pesada rede de intrigas e mentiras. Nada é o que parece, e Andrella talvez não seja o que sempre acreditou ser.

O livro apresenta uma trama bem amarrada e cenário convincente, porém o que mais se destaca é a habilidade literária de Melissa de Sá. Sua escrita, já conhecida por alguns contos, inclusive os das coletâneas "Excalibur" e "Medieval", se destaca dentre a de outros autores surgidos nos últimos anos, que criam cenários interessantes e contam histórias de forma eficiente, mas cujos textos não levam o leitor a um mergulho mais profundo em sensações ou reflexões. Melissa de Sá, ao contrário, evoca imagens com suas palavras, confere textura e volume ao que em muitos outros autores parece bidimensional. Vale a pena conhecer seu trabalho.

- Le Chevalier e a Exposição Universal - A. Z. Cordenonsi

Este livro faz parte de um universo que já rendeu contos, quadrinhos e ainda renderá muito mais, graças à habilidade de pesquisa e criatividade do autor. De estética steampunk, voltado principalmente para o público jovem, faz pensar em várias referências, desde a série "His Dark Materials" de Philip Pullman (no Brasil, "Fronteiras do Universo") até os livros de aventuras de Júlio Verne (que aliás é um personagem importante da obra), os romances de Dickens, os contos de mistério de Sherlock Holmes, contos de robô de Asimov e os quadrinhos do Tintim. No primeiro livro da série, um espião conhecido como Le Chevalier e seu auxiliar tomam a seu cargo a missão de desvendar uma conspiração internacional, ligada à grande Exposição Universal em Paris -- e aí acontece de tudo, intrigas, fugas desabaladas, ajudas inesperadas, perseguições... Tudo que se poderia esperar de um bom livro de entretenimento, ancorado numa sólida pesquisa, que para mim é um dos pontos fortes do trabalho do André. Aliás, tudo isso ficaria bem legal num filme também. :)


- Do Osso ao Pó - Júlio Menezes

Minha última leitura nacional do ano, valeu muito a pena. Já de cara o estilo do autor me fez lembrar aqueles livros da série "Cantadas Literárias", que saiu nos anos 80 pela Brasiliense (onde foram publicados "Porcos com Asas" e "Fliperama Sem Creme", entre outros), e a história que começou de um jeito meio casual rapidamente se adensou de um jeito que me fez ficar grudada no livro até acabar. A histórica contada aqui é a de Eduardo, um cara de classe média, apaixonado de um jeito estranho por uma amiga de escola, Aninha. Entre as idas e vindas com ela, Edu sempre se envolve com as mulheres erradas, com os amigos errados, com as coisas erradas. A narrativa vai e vem no tempo, revelando um cara que até o fim não me pareceu intrinsecamente mau, mas que, com suas fraquezas e obsessões -- ele acha, por exemplo, que pode causar a morte de alguém, bastando desejá-la --, vai se afundando cada vez mais num poço, sem possibilidade de volta. A construção tanto dele quanto dos outros personagens é impagável, e a escrita é saborosa, destacando as "dicas" meio marotas, meio melancólicas que Edu vai deixando acerca da vida, do amor e da inevitabilidade do fim. Realmente adorei conhecer o trabalho do Júlio Menezes.


****

Bom, Pessoas Queridas, estas são minhas recomendações de nacionais. E vocês, o que sugerem? Deixem aqui algumas dicas para eu ler no ano que vem.

Até breve, com a lista de estrangeiros!

terça-feira, dezembro 20, 2016

Cena no Mercado



Um pouco mais cedo, estava eu no mercado quando entreouvi a conversa de dois desconhecidos. Um homem e uma mulher, muito distintos, nos seus sessenta e poucos ou setenta anos. A conversa parece ter começado com um comentário casual sobre a aparência das batatas, e logo o senhor estava explicando seu método de fazer batata frita de forno, crocantíssima, com azeite e sal grosso.

Ela disse que gostava de fazer isso com lascas de berinjela.

Ele disse que devia ser uma delícia e contou que sabe fazer todas as sobremesas italianas, panna cota, tiramisu.

Ela disse que não é de comer doce e gosta mesmo é de bacalhau assado, mas não compensa fazer para uma pessoa só, e hoje em dia ela é sozinha.

Ele concordou e suspirou, dizendo que a pessoa, quando gosta de cozinhar, não faz para si, ela quer mesmo é ver os outros comendo e elogiando sua comida, e ele também não tem para quem cozinhar.

Ô, seu Espírito de Natal, essa era sua deixa para fazer esses dois cearem juntos, não era não?

quarta-feira, dezembro 14, 2016

Exposição "Saint-Hilaire e as Paisagens Brasileiras" na Biblioteca Nacional


Pessoas Queridas,

De hoje até o final de fevereiro, a Biblioteca Nacional abriga esta mostra com curadoria de servidores da casa, coordenados por mim. Estão todos convidados a nos prestigiar!

Com sua grande diversidade de fauna e flora, rios caudalosos e matas impenetráveis, o território brasileiro sempre foi visto com fascínio pelos cientistas estrangeiros. Suas jornadas pelo país tiveram como resultado não apenas a descoberta e o conhecimento de novas espécies, mas também saborosos relatos sobre o Brasil e seus habitantes.

Auguste de Saint-Hilaire esteve no país entre 1816 e 1822, financiado pelo governo da França, que, como outros Estados europeus, contava com os cientistas para obter informações sobre o Novo Mundo e encontrar a melhor forma de explorar seus recursos naturais. Durante sua viagem, o botânico recolheu cerca de 30.000 amostras de mais de 6.000 espécies vegetais, que descreveu e catalogou em seus cadernos de campo. Também escreveu sobre os lugares que visitou, com observações detalhadas que, ao se referir à sociedade e aos costumes brasileiros, por vezes assumiam o tom de crítica.

As espécies descritas por Saint-Hilaire se encontram nos três volumes ilustrados da Flora Brasiliae Meridionalis, publicados após seu retorno à França. As paisagens que visitou, contudo, não foram retratadas ao longo de suas expedições; edições posteriores seriam ilustradas com trabalhos de artistas como Jean-Baptiste Debret e Hercule Florence.

Nesta exposição, que comemora o 200º aniversário de sua chegada ao Brasil, o itinerário percorrido pelo naturalista é revisitado através de uma fusão de textos e imagens. Densas florestas, campos gerais com araucárias, o distrito diamantino, índios, tropeiros e gaúchos saltam dos relatos escritos por Saint-Hilaire e ganham forma através das gravuras e desenhos produzidos por outros artistas, alguns dos quais no âmbito de expedições que seguiram o mesmo trajeto, como a de Carl von Martius e a do príncipe Maximilian zu Wied-Neuwied.

Buscamos, assim, contribuir para que a obra de Auguste de Saint-Hilaire, hoje esquecido ou desconhecido por muitos, alcance a devida dimensão aos olhos de nossos visitantes.

sexta-feira, novembro 11, 2016

domingo, outubro 30, 2016

Documentos Literários da Biblioteca Nacional : Desenhos de Raul Pompeia para "O Ateneu"


Pessoas Queridas,

Segue minha mais recente publicação no Blog da BN, que também homenageia o Dia do Livro e da Biblioteca (29 de outubro)

Lembro, como sempre, que este é um trabalho de divulgação e não de especialista. Não me mandem para a cafua!

Imagem: Caricatura de Olavo Bilac por Cássio Loredano

sexta-feira, outubro 21, 2016

Documentos Literários da Biblioteca Nacional: "Fantásio", pseudônimo de Olavo Bilac


Pessoas Queridas,

Segue minha mais recente publicação no Blog da BN.

Lembro, como sempre, que este é um trabalho de divulgação e não de especialista. Não quero interrogatório e muito menos ir parar na prisão!

Imagem: Caricatura de Olavo Bilac por Cássio Loredano

sexta-feira, outubro 14, 2016

Documentos Literários da Biblioteca Nacional: Vila Rica, de Cláudio Manuel da Costa



Pessoas Queridas,

Segue minha mais recente publicação no Blog da BN.

Lembro, como sempre, que este é um trabalho de divulgação e não de especialista. Nada de devassa se não gostarem!

segunda-feira, outubro 10, 2016



Pessoas Queridas,

Durante a Bienal de São Paulo, fui entrevistada pelo canal LivroNíacos. Falo principalmente sobre a série Athelgard, mas também um pouquinho a meu próprio respeito. E faço caras, bocas e gestos que não acabam mais.

Para conferir, cliquem aqui.

sábado, outubro 08, 2016

Minha História de Amor em 500 Toques



           Eu conheci um rapaz em Ilha Grande, nos despedimos sem trocar telefones porque meu barco chegou, mas o excesso de passageiros fez com que eu saísse para esperar a vinda de outro barco. O rapaz voltou, trocamos telefones; ele ligou, saímos, começamos a namorar; anos depois ele viajou, eu fiquei, nós casamos por procuração; aí eu fui, nós vivemos na Europa, depois voltamos, tivemos uma filha e vai fazer trinta anos desde aquele primeiro encontro na praia em que falamos de tudo, até de saci pererê.

sexta-feira, outubro 07, 2016

Documentos Literários da Biblioteca Nacional: Originais de "Tocaia Grande" e cartão de Jorge Amado


Pessoas Queridas,

Segue minha mais recente publicação no Blog da BN.

Lembro, como sempre, que este é um trabalho de divulgação e não de especialista. Além do mais, sou como o Amado: uma eterna aprendiz. Espero que gostem do meu texto, mas, se não gostarem, não precisam chamar os jagunços! ;)

Caricatura de Nei Lima

quarta-feira, outubro 05, 2016

Videoentrevista no canal da Kássia Monteiro


Pessoas Queridas,

Dias atrás fui entrevistada pela escritora Kássia Monteiro, autora de "Soberana", um livro superlegal também publicado pela Editora Draco. Falo sobre meu trabalho, personagens, mercado editorial e o ofício da escrita, entre outros assuntos.

Se quiserem conferir, basta clicar aqui.

E, para conhecer o livro da Kássia, o link da sorte é este.

quarta-feira, setembro 28, 2016

Entrevista com Ana Lúcia Merege no Jornal O Estado do Rio de Janeiro


Pessoas Queridas,

Saiu uma entrevista muito legal com a Anny Lucard sobre meu trabalho literário, planos para o futuro, organização de coletâneas... Enfim, o que faço e pretendo ainda fazer no âmbito da Literatura Fantástica.

Para quem quiser, o link está aqui.

sexta-feira, setembro 23, 2016

Documentos Literários da Biblioteca Nacional: Carta de Euclides da Cunha a seu Filho "Quidinho".


Pessoas Queridas,

Segue minha mais recente publicação no Blog da BN.

Chamo sua atenção para o fato de que Euclides da Cunha estava remetendo ao filho dois livros do mestre Júlio Verne, um dos "pais" da Ficção Científica. Eu achei isso muito legal e já até mencionei num artigo que escrevi para a Ciência Hoje das Crianças, depois divulgado aqui no blog. Se alguém quiser ler, clique aqui.

No mais... Não custa lembrar que este é um trabalho de divulgação e não de especialista. Não saquem a arma no saloon, eu sou apenas a mediadora! :)

Caricatura de Euclides da Cunha por Raul Pederneiras (1903)

terça-feira, setembro 20, 2016

Excalibur e Medieval no Pacotão Literário


Pessoas Queridas,

Esta quinzena estou participando do Pacotão Literário, uma iniciativa voltada para a divulgação da Literatura Fantástica Nacional.

Como o nome já diz, o projeto disponibiliza "pacotes" de e-books ou PDFS e (no meu caso) livros físicos que podem ser adquiridos por preços que vão de R$ 1,00 a R$ 60,00. Os livros e contos são selecionados por temas, que mudam a cada quinzena. Desta vez temos obras de Fantasia e Distopia. Eu participo com exemplares físicos das coletâneas Excalibur e Medieval, que organizei para a Editora Draco, sendo a segunda em parceria com Eduardo Kasse. Os pedidos são limitados a cinco exemplares de cada. Quem os adquirir receberá seu livro autografado e acompanhado de um marcador Premium, além de um conjunto de marcadores da série Athelgard.

Para ver os demais autores e adquirir o Pacotão, é só clicar aqui.

Boa leitura!

sexta-feira, setembro 16, 2016

sexta-feira, setembro 09, 2016

Documentos literários da Biblioteca Nacional : Os Pombos, de Coelho Neto



Pessoas Queridas,

Hoje dei início a uma série de postagens sobre documentos literários no blog e na página da Fundação Biblioteca Nacional. O primeiro segue aqui.

A ideia não é escrever artigos aprofundados sobre os autores ou as obras, apenas divulgar o material que temos à disposição de nossos pesquisadores, com um mínimo de contexto. Portanto, se houver algum especialista presente, por favor... Misericórdia. ;)

Brincadeiras à parte, espero que vocês gostem e compartilhem bastante.

Abraços!

quarta-feira, setembro 07, 2016

Voltando da Bienal...



Então, acabou a Bienal, aquela que eu afirmei várias vezes que seria épica. E é ainda sob o efeito da emoção e do cansaço que escrevo estas linhas.

Logo que voltei, muitos amigos estavam compartilhando este texto, no qual se questiona se vale a pena participar da Bienal do Livro em seu formato atual. Com muita lucidez, o autor elenca vários problemas, desde o preço do ingresso e o valor cobrado das editoras para ter um estande – proibitivo para muitas, bem como para autores independentes -- até a valorização do aspecto mercadológico em detrimento do cultural.

Em linhas gerais, concordo com as afirmações feitas no texto, que inclusive aponta a literatura fantástica (somos nós!) e o gênero chick lit como opções para atrair um público voltado para os livros e não para o culto às celebridades promovidas pela mídia. É preciso repensar a Bienal como espaço cultural, democrático, que propicie o encontro entre autores e público e contribua para promover o amor pela leitura. É o que desejo que aconteça, não apenas como escritora, mas também como bibliotecária, servidora pública e cidadã.

No entanto, com todos os seus defeitos e tudo que é preciso reavaliar, eu confesso: para mim, valeu a pena. E isso por muitas razões, baseadas tanto na emoção quanto na lucidez.

Valeu a pena porque vi o trabalho insano do meu editor para fazer as coisas acontecerem, e o resultado foi tão bom que eu sentia orgulho de todos aqueles livros e quadrinhos.

Valeu a pena porque tive o prazer de indicar livros a pessoas que procuravam terror ou space opera, fantasia épica ou com temas de inspiração africana, e eram todos trabalhos de qualidade feitos por autores brasileiros.

Valeu a pena porque fiquei muitas horas escrevendo, revisando, trabalhando no meu universo fantástico, e tive a oportunidade de falar a muita gente sobre ele, e fui presenteada com sorrisos e elogios.

Valeu a pena porque meus amigos estavam lá, alguns prestigiando, outros apresentando seus livros, e sempre que um deles era vendido eu compartilhava da sua alegria.

Valeu a pena porque eu mesma fiz a dança da vitória quando uma criança decidiu levar o último exemplar de Anna e Trilha Secreta.

Valeu a pena, enfim, porque foi épico. Bem como eu disse que seria desde o início.

E, como muitas formiguinhas com alma de cigarra, mal posso esperar pela próxima jornada.

domingo, agosto 28, 2016

Editora Draco na Bienal do Livro de São Paulo - 2016



Pessoas Queridas,

A Bienal do Livro de São Paulo já começou!

Eu só irei nos dias 2, 3 e 4 -- o último final de semana - mas já vou deixando
aqui a agenda de participação dos autores da Editora Draco. Vai ter muita gente boa por lá, tanto da Literatura quanto dos quadrinhos, e todo o catálogo estará com desconto.

Esperamos vocês!

terça-feira, agosto 09, 2016

O Grande Livro do Fogo: Meu conto na coletânea "Medieval"



Meu fascínio pelo Oriente não começou ontem. Sempre gostei de saber que tinha antepassados vindos do Líbano e do Algarve; fiz minha monografia de fim de curso sobre a influência do Islã na literatura ibérica, e desde então tenho estudado e publicado mais alguns artigos de divulgação por aí. O início dessa atração, porém, foi muito anterior: foi do tempo em que, criança, eu devorava recontos de histórias orientais, como as de Simbad e Aladim, e os livros de Júlio César de Mello e Souza, mais conhecido pelo pseudônimo de Malba Tahan.

Quando o Eduardo Kasse e eu começamos a bolar a “Medieval”, não precisei pensar muito para decidir que escreveria sobre a Ibéria muçulmana. Também me veio muito rápido a ideia de fazer desse conto uma espécie de tributo a Malba Tahan, inclusive no que se referisse ao estilo de escrita. Alguns dizem que ela é datada, e eu tenho que concordar que dificilmente o autor agradaria às crianças de hoje. No entanto, ao que percebo, ele tentava emular o tipo de narrativa que se encontra em clássicos como “Calila e Dimna” (uma coleção de contos orientais, mandada traduzir pelo rei Afonso X de Castela no século XIII) e “As Mil e uma Noites” (conhecidas no Ocidente a partir da tradução de 1704, pelo francês Antoine Galland). Por isso resolvi arriscar, usando inclusive o “vós” e as mesóclises, sem falar nas hipérboles, nos adjetivos, nas invocações e nas exclamações. Se vai dar certo ou não… Bom, o futuro dirá.

Por falar em futuro, esse é, pode-se dizer, o tema central da história. Ou talvez não seja o futuro, mas o destino, que, segundo um dos meus contos favoritos de Malba Tahan, se inscreve num livro mágico, dificílimo de encontrar. Pois outra coisa que eu logo decidi foi fazer uma espécie de releitura do conto “O Livro do Destino”, aqui chamado de “O Grande Livro do Fogo”, pondo à sua procura meus personagens que, no início, deveriam ser um muçulmano, um cristão e um judeu. Logo nos primeiros rascunhos desisti dessa ideia em favor de um casal muçulmano, mais tarde convertido numa dupla de pai e filha e acrescido de um estudioso que representa os muitos eruditos cordobeses. Por meio dele não faltaram menções a personagens e fatos da época, nem, é claro, à grande biblioteca que funcionou vários anos sob a supervisão de uma mulher notável, Lubna de Córdoba.

Além desse enquadramento histórico, eu decidi usar os elementos mais emblemáticos das histórias de sabor islâmico, tais como os gênios e os tapetes voadores. Também temos doces muito doces, turbantes, babuchas e um pai cujo maior anseio é ver sua filha bem casada. Só faltaram os camelos (mas acho que mesmo assim eles são citados em algum lugar). E, em meio ao clima de “Sessão da Tarde” que eu tentei dar à segunda parte do conto, há espaço para um pouco de humor e também um tiquinho de melodrama.

A ilustração que acompanha este post foi feita a meu pedido pelo escritor, professor e artista plástico Vilson Gonçalves. Nela se podem ver nossos três heróis partindo rumo à aventura, acompanhados por ninguém menos que… uma águia dourada. Não fui eu que pedi para ela estar ali. Talvez tenha fugido de algum outro livro, onde tem uma contadora de histórias que não é a Sherazade… ;)

Enfim, espero que os leitores de “Medieval” curtam bastante a viagem nesse tapete mágico. E pensem bem no que desejam para o futuro. Quem sabe um dia surge a oportunidade de acrescentar palavras às páginas do Grande Livro do Fogo?

Medieval está à venda na Amazon e no site da Editora Draco. Em breve teremos também a versão digital, compatível com vários leitores de e-book. 

segunda-feira, agosto 01, 2016

Feliz Imbolc


Pessoas Queridas,

Apesar da minha espirituosidade-não-exatamente-religiosa se identificar mais com os nativos americanos, eu acho muito legal o conceito da Roda do Ano usada pelos praticantes de Wicca.

Hoje, para os que vivem no Hemisfério Sul, é comemorado o Imbolc, ou Candlemas, que celebra o despertar do Sol e o poder da Terra, e eu espero que seja também um momento de despertar e de entrar em ação - de uma maneira positiva - para todos nós que procuramos fazer do Planeta Azul um lugar melhor de se viver.

Tudo de bom neste mês de agosto!

sexta-feira, julho 15, 2016

Cabuloso Cast 172 : Muito Além da Jornada do Herói



Pessoas Queridas,

Esta semana foi ao ar o Episódio 172 do Cabuloso Cast, onde, com a mediação do Lucien, o Bibliotecário, discuti a Jornada do Herói com Pablo de Assis e Ivan Mizanzuk.

A gravação foi feita há um bom tempo e, claro, teve bastante edição. Ouvindo de novo, fiquei agradavelmente surpresa por perceber que tem muita informação ali, um conteúdo que realmente pode interessar a escritores, pesquisadores e todos os que curtem o assunto. Falamos das limitações da Jornada do Herói, de suas vantagens em alguns casos, de sua aplicação a histórias do Oriente e da África (talvez por isso boa parte da trilha sonora é de O Rei Leão !), da ideia de "história única" sobre a qual nos alertou Chimamanda Ngozi Adichie, de diversidade, representatividade e muito mais.

Se vocês quiserem ouvir, acho que serão duas horas bem empregadas. ;)

domingo, julho 03, 2016

Medieval : contos de uma era fantástica


Pessoas Queridas,

É com grande orgulho que anuncio a pré-venda de uma coletânea que organizei juntamente com o Eduardo Kasse, autor da série Tempos de Sangue e, mais que um parceiro literário, um grande amigo que eu espero conservar pela vida toda.

Nesta "Medieval" nós quisemos resgatar a tradição da fantasia histórica, distanciando-a um pouco do que hoje conhecemos como alta fantasia -- a obra de Tolkien, por exemplo -- e a ambientando na Idade Média do nosso universo, inclusive no que se refere ao imaginário próprio de cada local visitado. Isso porque não nos limitamos à Europa; alguns autores excursionaram pelo mundo islâmico e por várias terras do Oriente, fazendo deste um livro surpreendente pela diversidade e riqueza das narrativas.

Em breve, no blog da Draco, esperamos compartilhar os depoimentos de alguns autores sobre o processo de criação desses textos. Eu também falarei do meu, que ganhou até mesmo uma ilustração exclusiva. Por ora, ficam aqui a belíssima capa do Erick Sama, inspirada em livros medievais, e o link da pré-venda no site da editora.

Que sua imaginação viaje, seja num drakkar, num tapete mágico, num corcel de batalha -- ou simplesmente nas páginas deste livro!

sábado, junho 25, 2016

A Trilogia Athelgard : Memórias e Expectativas



A Fonte Âmbar está em pré-venda.

Isso quer dizer que o livro foi para a gráfica: não tem mais volta. Para mudar uma vírgula que seja, só na próxima impressão. Isso me deixa ao mesmo tempo feliz, ansiosa e cheia de expectativas, porque chegar ao fim de uma trilogia é algo muito especial. E eu quero partilhar essa experiência com vocês.

Os livros que compõem essa primeira trilogia de Athelgard já tinham versões completas antes de encontrar seu lar na Editora Draco. No entanto, cada um deles passou por um intenso processo de reescrita, feito com a ajuda do Erick Sama, da Allana Dilene, de vários leitores beta e – no caso do primeiro e do segundo – de muitas dentre as centenas de pessoas que leram e opinaram sobre os livros já lançados.

Leia o artigo completo no blog da Draco. Aposto que você também vai embarcar nessa aventura!

quarta-feira, junho 15, 2016

Documentos da Biblioteca Nacional : Uniformes Militares do Rio colonial



Pessoas Queridas,

Venho compartilhar com vocês um texto que escrevi para a página da Biblioteca Nacional no Facebook e o blog da BN. Trata-se de uma obra datada de 1786, assinada pelo engenheiro militar José Rangel de Bulhões, que contém imagens e estatísticas da guarnição do Rio de Janeiro colonial. É uma ótima fonte de informações textuais e iconográficas.

A imagem acima, pertencente ao acervo da BNDigital, é de um soldado do terço oficial de pardos libertos, cuja existência já dá margem a indagações sobre questões sociais inerentes à organização militar da época.

Espero que gostem, visitem e compartilhem! Temos muito a mostrar e muitas histórias para contar sobre esse acervo.

sábado, junho 11, 2016

#EspalheFantasia : Cinco Séries Nacionais de Fantasia



Pessoas Queridas,

Hoje é dia de espalhar fantasia pelas redes. Ou melhor, pelo Brasil afora!

Vários autores, blogueiros e leitores envolvidos com o gênero vão fazer postagens ao longo do dia, e cada um irá sugerir cinco séries de fantasia publicadas no Brasil. Podem ser de autores estrangeiros, nacionais ou uma mistura de ambos.

No meu caso, optei por séries nacionais: a minha e as de outros quatro autores da Editora Draco. Para quem ainda não conhece, ela é sediada em São Paulo e, em poucos anos, cresceu em proporções incríveis dentro do gênero fantástico, além de ter uma importante produção de quadrinhos. É também responsável pela maior coleção de contos em e-book publicada no Brasil, a Contos do Dragão.

A Draco publica coletâneas, livros solo e séries de fantasia. Aqui vão algumas delas. Espero que gostem!

Série Athelgard Ana Lúcia Merege

Athelgard é um universo construído sobre referências de várias mitologias e várias culturas, dentre as quais se destacam a nórdica, a celta e a dos nativos americanos. Tem uma ambientação medieval, mas cheia de nuances de acordo com o local e a época em que se passam as histórias.

Ainda tenho muitas para contar, mas a primeira trilogia de Athelgard gira em torno do casal Anna de Bryke e Kieran de Scyllix, que são professores na Escola de Artes Mágicas, sediada no Castelo das Águias. Ali, a concentração, a expertise, o poder criador necessários ao artista são o ponto de partida para desenvolver o Dom da Magia. Os livros são O Castelo das ÁguiasA Ilha dos Ossos e A Fonte Âmbar, que se encontra em pré-venda. A série já rendeu também uma prequel, o infantojuvenil Anna e a Trilha Secreta, além de vários contos e novelas publicados na série Contos do Dragão. Outros estão disponíveis no blog do Castelo, que traz muitas informações sobre o universo e seus personagens. Espero que vocês passem por lá!

Série Um Toque de Morte/Um Beijo de MorteLuiza Salazar

Com cenas ágeis, personagens cativantes e escrita fluente, a eletrizante série de Luiza Salazar tem como protagonista a jovem Kat, a qual possui estranhas tatuagens nas mãos e um dom que à primeira vista parece uma maldição: ela mata as pessoas que toca. E faz disso seu meio de vida, como mercenária. Duas organizações misteriosas disputam seus serviços e lealdade; quando faz sua escolha, ela é submetida a um severo treinamento que, além de fortalecê-la, acaba por revelar muito sobre seu poder e sua afiliação a uma poderosa estirpe mágica. Um Toque de Morte e Um Beijo de Morte foram os dois livros lançados até agora e fecham bem a história de Kat, de forma que não sei se a série irá prosseguir ou se continuará como duologia.

Série EspelhoKaren Alvares

Essa de fato é uma duologia, e, assim como a minha série e a de Luiza, pode entrar na famosa categoria YA – livros para jovens adultos. No entanto, assim como as outras duas, pode agradar a leitores adultos também. Karen conta com mestria a história de Megan, uma jovem brasileira que vive com o pai e a irmãzinha e tem o simpático Daniel como melhor (e praticamente único) amigo. O mundo de Megan vira de ponta-cabeça quando ela se olha no espelho e, em seu interior, vislumbra a si mesma – ou uma cópia de si mesma – vivendo uma vida alternativa, que em princípio parece ser melhor do que a sua, mas que logo vem a revelar seus aspectos sombrios. O embate entre Megan e sua aparente “gêmea do Mal” Megami rende muitos sustos, muita tensão, algumas risadas e até algumas lágrimas ao longo dos dois livros: Inverso, lançado na Bienal do Rio em 2015, e Reverso, atualmente em pré-venda pela Editora Draco.

Série Reinos EternosJoão Beraldo

Essa série é ambientada em um universo construído pelo autor a partir de referências variadas, tais como os grandes reinos da África, as tradições da Índia e a mitologia do Extremo Oriente. Tudo isso é revestido numa roupagem própria e apresentado ao leitor através de descrições vívidas, cenas de ação muito bem construídas e diálogos ágeis. Os livros Império de Diamante e Último Refúgio, este ainda em pré-venda, são independentes entre si, mas têm como personagem de ligação o mercenário Rais Kasim, proveniente de Myambe (um reino semelhante à África) que entra e sai de muitas encrencas usando uma combinação de força, destreza, inteligência e grande dose de bom senso. Estou muito curiosa para ver onde os próximos livros o levarão.

Série Tempos de SangueEduardo Kasse

Esta é uma série para quem gosta de fantasia medieval com todos os esses possíveis: sangue, sexo, suor e sujeira. Isso dito no melhor sentido! Ambientada em vários lugares da Europa, principalmente a Inglaterra, a série de Eduardo Kasse tem como personagem principal o sarcástico Harold Stonecross, que foi transformado em imortal pelo poder de um deus e cujas aventuras têm como pano de fundo os acontecimentos históricos, políticos e sociais da Idade Média. Em seu caminho estão papas, bispos, reis, condes, xerifes e magistrados locais, além de outros imortais de diferentes proveniências e personalidades e, é claro, da impagável gente camponesa, cuja vida cotidiana é retratada com realismo, crueza e humor.

Os livros já lançados são O Andarilho das Sombras, Deuses Esquecidos, Guerras Eternas e O Despertar da Fúria. No fim do ano teremos o último volume. A série conta ainda com vários contos publicados em e-book pela Contos do Dragão.

Bom, essas são minhas indicações de séries. Espero que vocês tenham gostado, se não de todas, ao menos de algumas. E que partilhem suas impressões caso as tenham lido ou venham a ler.

Para completar, deixo aqui a lista de blogs, autores e leitores que participam da campanha, cada um com indicações mais legais que as outras. Não deixem de conferir!

Abraços e até a próxima!


quarta-feira, junho 08, 2016

A Fonte Âmbar em Pré-Venda!


Pessoas Queridas,

Meu editor, Erick Sama, me surpreendeu hoje com a notícia mais incrível. A Fonte Âmbar já está em pré-venda!

Esse é um livro especial, não apenas por concluir a trilogia - sim, vai haver mais histórias em Athelgard, mas um arco está sendo fechado! - mas também por eu estar experimentando aqui várias coisas que ainda não tinha feito do ponto de vista da construção literária. Há vários narradores além de Anna e Kieran, e as diferenças entre os pontos de vista podem levar um herói a ser descrito como um vilão e vice-versa. Há um gancho para uma futura série que eu torço imensamente para as pessoas gostarem. Enfim, há muito aqui em jogo, muito para me deixar em grande expectativa. Tomara que a reação dos leitores seja positiva!

Se vocês quiserem comprar o livro, ou só dar uma olhada na sinopse por enquanto, basta acessar o link no site da Editora Draco. Se quiserem conhecer mais sobre o universo, personagens, ler contos inteiramente gratuitos, basta visitar o blog do Castelo.

Espero compartilhar esta e muitas histórias com vocês!

quinta-feira, junho 02, 2016

Documentos e Desafios: A Equipe da Divisão de Manuscritos



Pessoas Queridas,

Com muito orgulho, venho divulgar o artigo que escrevi sobre a equipe da Divisão de Manuscritos da Biblioteca Nacional, da qual sou curadora de acervo. A intenção é mostrar que somos um grupo multidisciplinar, que inclui mestres e especialistas e cujo trabalho vai muito além do tratamento técnico.

Acessem o texto aqui e aproveitem para seguir o Blog da BN, onde estamos sempre postando novidades!


quinta-feira, maio 12, 2016

Ana Lúcia Merege na Odisseia Itinerante


Pessoas Queridas,

Dia 13 de maio, das 13 às 18 h, vai rolar uma versão itinerante da Odisseia de Literatura Fantástica, dentro da 24a. edição do Animextreme, lá em Porto Alegre.

Sou uma das convidadas, juntamente com Simone Saueressig, Jim Anotsu, Duda Falcão, Afonso Solano e o cara que vai dividir comigo a palestra destinada a estudantes do sexto e sétimo ano do Ensino Fundamental: André Cordenonsi. Vamos receber alunos da rede pública e quem mais estiver por lá para bater um papo sobre nosso trabalho e sobre LitFan nacional.

A programação completa pode ser conferida aqui.

Esperamos vocês!

domingo, maio 08, 2016

Hoje, Rosas



Hoje é Dia das Mães e o supermercado está dando rosas a todas as mulheres que entram. Há rosas vermelhas e brancas, e pelo que observei são oferecidas de forma randômica. Nada como: as mulheres mais jovens ganham rosas vermelhas, ou as que entram acompanhadas dos filhos, ou as que usam chinelos. Vermelha ou branca, tanto faz, é a que estiver ao alcance da mão, para qualquer mulher que passe pela porta. Simples assim.

A Mulher Grisalha, que usava chinelos, que não estava com a adolescente, que enfrenta o primeiro Dia das Mães sem o abraço da sua, a não ser em pensamento - a Mulher Grisalha recebeu uma rosa branca. E a entregou a uma senhora que estava na fila, à sua frente, levando um neto irrequieto num carrinho de bebê. Foi um gesto racional, porque em sua casa não há um jarro adequado para receber essa única rosa. E porque, entre a ausência e as angústias do seu país dividido, ela não tem mais certeza se as flores ainda podem vencer o canhão.

sexta-feira, maio 06, 2016

Trópicos Fantásticos : promoção do e-book na Amazon



Pessoas queridas,

O e-book "Trópicos Fantásticos", do qual participo com "A história de Jorge", está de graça na Amazon até o dia 8 de maio.

Se vocês não têm ainda, é uma boa oportunidade para conhecer (ou revisitar) dez autores brasileiros de litfan.

Aproveitem - e, se der, divulguem. A gente agradece!

Link para o livro aqui.

sábado, abril 23, 2016

E-Book: A Guerra dos Muitos Mundos



Pessoal,

Venho divulgar um e-book muito legal. É uma obra coletiva de Fantasia e Ficção Científica, no qual vários escritores contam histórias ligadas por um universo comum, criado por Rita Maria Félix: o universo em que transcorre a Guerra dos Muitos Mundos.

Participo do livro com dois contos. Num deles, o líder da Resistência E´Katorr vai parar num barco mercante fenício, perto dos Pilares de Melkart, e conhece ninguém menos que o avô do nosso conhecido Capitão Balthazar. No segundo, revisito o universo do meu conto "Além da Terra Sem Males", publicado no livro "Dimensões-BR", e conto sobre o dia em que o Povo Pequeno impediu uma invasão alienígena iniciada pelas matas de Lumiar.

O livro pode ser baixado aqui no formato e-pub, e em breve o PDF estará disponível.

Espero que vocês curtam essas nossas histórias - as histórias da Guerra dos Muitos Mundos!

terça-feira, abril 12, 2016

Filha da Neve e os Sete Ninjas e A Dama da Floresta nos Contos do Dragão


Pessoas Queridas,

Os contos com os quais participei nas coletâneas Excalibur e Samurais X Ninjas estão agora disponíveis na Coleção Contos do Dragão, da Editora Draco.

Acho que vocês já sabem, mas não custa repetir que essa é a maior coleção de e-books de literatura fantástica (e não só) que existe no Brasil. Os contos estão na faixa de R$ 2,99 e podem ser lidos via Amazon, Apple, Kobo e outros formatos.

Vamos aos links e sinopses!


Numa remota aldeia da Britânia, uma velha curandeira relembra os episódios que marcaram sua vida: a paixão pelo bravo e irreverente Bedwyr, o encontro com Myrddin e o acordo que firmou com o mago a fim de que Arthur, seu protegido, recebesse uma espada encantada e se tornasse um líder guerreiro.

Compre aqui

*******


Ameaçada por sua madrasta, a doce Yukiko se refugia na floresta, onde recebe a ajuda inesperada de sete ninjas. No entanto, a notícia de que está viva chega aos ouvidos da cruel Madame Tempura – e só seus novos amigos poderão salvá-la. Uma releitura divertida de Branca de Neve, com muito ninjutsu, macarrão e molho de soja!

Compre aqui

*******

Os contos já foram adicionados ao Skoob. Peço aos usuários da plataforma que tiverem interesse em lê-los que os adicionem. E, claro, quem ler, por favor, avalie nas redes sociais, Amazon, Goodreads... Isso irá me ajudar muito.

Espero que gostem dessas aventuras. Eu gostei de narrá-las. E o melhor é que tem mais vindo por aí.

Grande abraço!

segunda-feira, fevereiro 29, 2016

Além da Capa: a Primeira História Sem Fim


Pessoas Queridas,

O site Além da Capa reúne histórias interessantes de várias pessoas sobre as livros que mudaram suas vidas.

Eu contei a minha aqui, falando sobre a minha primeira História Sem Fim e como ela influenciou as que vieram depois.

A quem se interessar, este post contém detalhes da minha história com esse livro incrível.

terça-feira, janeiro 19, 2016

Hasta la Vista!!



Pessoas Queridas,

A maioria de vocês já deve ter visto a notícia nas redes sociais: acabei de escrever A Fonte Âmbar, o terceiro livro da série. Foi trabalhoso, mas valeu a pena: ainda este ano, eu e a Editora Draco apresentaremos aos leitores de Athelgard uma obra não isenta de falhas, mas digna, bem cuidada e que, eu espero, irá agradar à maioria.

Por essa e por outras razões, o ano que passou foi bem puxado para mim, inclusive em termos pessoais. Felizmente dei conta dos compromissos que tinha firmado, mas fiquei cansada, e alguns aspectos importantes da minha vida foram deixados de lado.

Agora, como gosto sempre de fazer -- e felizmente posso -- vou viajar com meu marido e filha, ficar desconectada, ver e rever paisagens diferentes, aprender, espairecer. O destino deste ano é a Espanha, o que é muito legal porque o meu próximo conto a sair pela Draco é ambientado lá. Inclusive numa das cidades que iremos visitar, na qual fica o castelo aí de cima, o Castillo de Almodóvar del Rio, edificado por berberes onde tinha havido uma fortificação romana e mais tarde modificado por outras dinastias muçulmanas e por senhores cristãos.

Enquanto estou fora, convido vocês a passear pelas prateleiras da Estante, dar uma olhada nos textos do Wattpad, nas minhas publicações, no que está grátis online. Sobretudo não deixem de visitar o Blog do Castelo e ler os contos de Athelgard! Assim, o tempo passa rápido, e logo estarei de volta com muitas histórias e ânimo renovado para contá-las.

Até breve!

quinta-feira, janeiro 07, 2016

segunda-feira, janeiro 04, 2016

"O Castelo das Águias" de Graça Para Usuários do IOS!


Pessoas Queridas,

O ano começa com um presente da Editora Draco para usuários do IOS (iPad, iPhone e Mac). Durante uma semana, o primeiro livro da série, "O Castelo das Águias", vai estar inteiramente de graça no iTunes Store! Corram lá!

Para baixar o livro com o iBooks clique aqui.

Não é usuário do IOS, mas sim do Kindle? Beleza! Tanto os e-books quanto os livros físicos da série estão em promoção, e alguns contos são tão baratos que é quase como estarem de graça. Confira aqui.

E "A Fonte Âmbar", terceiro livro da série, está vindo por aí... Espero que vocês gostem!

Até breve!