terça-feira, agosto 20, 2019

Rumo ao Paralelo 28 e à Odisseia!

Pessoas Queridas,

Lá vou eu para uma nova jornada, com grandes expectativas!

Minha viagem começa no dia 22 de agosto, que passarei em trânsito. Vou para Antônio Prado, cidade da serra gaúcha onde, no dia 23, visitarei duas escolas (soube que os jovens fizeram trabalhos sobre um conto meu, estou supercuriosa) e, à tarde, participarei da Odisseia Itinerante de Literatura Fantástica, que vai rolar em meio ao Festival Literário Paralelo 28. Minha mesa é com Enéias Tavares e André Cordenonsi; vamos falar de steampunk e de fantasia medieval, tudo junto e misturado!





À noite eu viajo para Porto Alegre, e nos dias 24 e 25 de agosto vou estar na VI Odisseia de Literatura Fantástica. O evento contará com venda de livros e outros produtos e com mesas-redondas de que participarão escritores, editores e pesquisadores do Fantástico.

Estou numa mesa marcada para o sábado, às 14 h, cujo tema é  “Fantasismo e a (Re) construção de mundos fantásticos”. Vou debater com André Cordenonsi, Bernardo Stamato, Leandro Pileggi e Simone Marques. Esperamos muita participação do público.


Por fim, no domingo, às 18 horas, haverá a cerimônia de entrega do I Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica, do qual meu livro Orlando e o Escudo da Coragem é um dos três finalistas na categoria Narrativa longa – literatura juvenil.


Aqui está a sinopse, para quem não conhece:

Dividido entre o Dom da Magia e o desejo de ser um cavaleiro, Orlando tem uma única certeza: ele lutará até o fim por aquilo em que acredita. E toda a sua coragem e habilidade serão postas à prova durante um torneio no misterioso Reino das Colinas Negras. Depois de “Anna e a Trilha Secreta”, este é o novo livro dedicado aos leitores mais jovens por Ana Lúcia Merege, criadora do universo Athelgard.
                     


                 

Curtiu? Então torça pela gente!

Até lá, ou até breve!


Veja a programação completa da Odisseia

sábado, agosto 03, 2019

Contos Novos no Ar!


Pessoas Queridas,

Foram-se as férias, e agora entramos firmes e fortes no segundo semestre do ano.

Tenho muitos eventos programados, e aos poucos falarei deles, para convidar e para contar como foi. Por ora, fico feliz por anunciar que a campanha dos Duendes foi um sucesso, e que, enquanto esperamos pelo livro, há mais contos meus no ar esperando para ser lidos. "No ar", literalmente, pois são todos e-books ou PDFs. Querem conhecê-los?



"Ainda Centauros", bem curtinho, saiu em e-book por uma iniciativa da Casa Fantástica -- por sinal, o evento em Paraty foi ótimo -- e pode ser lido de graça na Amazon, clicando aqui.



"Cybermadrinha" foi republicado no primeiro número da revista Literomancia, e o PDF vocês baixam também de graça aqui.



Por fim, "O Touro Vermelho" foi selecionado entre cerca de 200 contos para integrar o segundo número da revista A Taverna e está à venda pela Amazon. Para adquiri-lo, cliquem aqui.

O ano ainda trará algumas surpresas -- com sorte, mais do que eu espero -- mas, por ora, torço para que leiam e gostem desses continhos. E quem ler, por favor, não deixe de avaliar, de comentar, de ao menos me contar... Seu feedback é da maior importância!

Até breve, com mais novidades!

quarta-feira, julho 10, 2019

Arthur Rackham, Artista do Mundo Feérico

Pessoas Queridas,

Venho compartilhar um pouco sobre o trabalho de Arthur Rackham, cuja arte será reproduzida nos marcadores e postais da coletânea Duendes: contos sombrios de reinos invisíveis.



Rackham (1867 – 1939) nasceu em Londres, numa família com doze filhos. Segundo seu biógrafo, Derek Hudson, era apaixonado por desenho desde criança e escondia papel e lápis sob as cobertas; quando sua mãe confiscava o papel, desenhava na fronha do travesseiro (eu queria ter visto esses desenhos).

Aos 18 anos o jovem Rackham começou a trabalhar como escriturário e, ao mesmo tempo, a estudar e praticar na Lambeth School of Art. Em 1892 deixou o escritório e passou a trabalhar como repórter e ilustrador no jornal The Westminster Budget, mas os desenhos que realizava para eles eram muito convencionais. Assim, voltou seu interesse para os livros ilustrados, onde tinha mais liberdade criativa. Sua primeira ilustração em livro foi publicada num guia dos Estados Unidos e Canadá, chamada To the Other Side, em 1893. Tempos depois, trabalhou em The Ingoldsby Legends (1898) e Tales from Shakespeare (1889), considerados dois dos mais importantes livros ilustrados daquela época.

Ilustração de The Ingoldsby Legends

A consagração de Arthur Rackham como ilustrador se deu com a publicação da primeira edição de The Fairy Tales of the Brothers Grimm, em 1900. O livro foi um sucesso, várias vezes reeditado, e apenas um dos muitos que ilustrou com temas ligados aos contos de fadas. Segundo o artista, seu sucesso se devia ao profundo conhecimento dos contos e do imaginário associado – e a verdade é que seus melhores e mais conhecidos trabalhos seguem a temática feérica, ou se referem à literatura para crianças e jovens com um pé na fantasia, como Peter Pan (o autor J. M. Barrie contratou Rackham para ilustrar Peter Pan in Kensington Gardens, livro que saiu em 1906 e antecede a “obra canônica” Peter and Wendy, de 1911) e Alice in Wonderland (1907). Outras obras de grande sucesso foram Rip van Winkle (1905), The Romance of King Arthur (1917) e The Legend of Sleepy Hollow (1920).


As fadas de Rackham

Nos anos 1920, tendo ilustrado dezenas de livros e recebido prêmios, Arthur Rackam viu suas vendas descrescerem um pouco no Reino Unido, ao mesmo tempo que sua fama se ampliava nos Estados Unidos da América. Na década seguinte sua saúde, assim como a de sua esposa, Edith, começou a declinar. Ainda assim, o artista continuou a produzir maravilhas, como uma bela edição dos contos de Andersen (1932), ilustrações para Goblin Market, de Christina Rossetti (1933) e, no mesmo ano, The Arthur Rackham Fairy Book.

O último projeto em que Rackham trabalhou teve para ele um grande valor sentimental: as ilustrações de The Wind in the Willows (escrito por Kenneth Grahame em 1908), que não pudera fazer alguns anos antes devido a outros compromissos, mas que lhe vinham sendo pedidas por pequenos leitores. A última ilustração foi concluída pouco antes da morte do artista, de câncer, em 1939. O livro foi publicado postumamente no ano seguinte.

O Piquenique do Toupeira e do Rato d´Agua, em
The Wind in the Willows

Arthur Rackham deixou um incrível legado que inspirou muitos artistas plásticos e escritores. Desejamos que inspire também os leitores de Duendes, razão pela qual utilizamos suas ilustrações, hoje em domínio público, na arte das nossas recompensas. Por enquanto, quem adquirir a coletânea através do Catarse irá receber um postal e um marcador, mas esse brinde será duplicado tão logo a campanha atinja a meta estendida de R$ 8.000,00. E esse é só o primeiro dos nossos potes de ouro!

Vem com a gente?





Para conhecer, apoiar e divulgar entre no site do Catarse. Agradecemos desde já por sua colaboração!

quinta-feira, julho 04, 2019

Duendes: Contos Sombrios de Reinos Invisíveis : Catarse


Pessoas queridas,

Venho apresentar o meu novo projeto na Editora Draco. Trata-se da coletânea Duendes : contos sombrios de reinos invisíveis.

O livro reúne dez (talvez venham a ser onze!) dos melhores autores nacionais de fantasia, cujas narrativas mostram o Povo Pequeno em seu aspecto mais sinistro. Algumas são ambientadas no mundo contemporâneo, outras se inspiram em histórias tradicionais de várias culturas: a britânica, a eslava, a japonesa, a latino-americana e, claro, a brasileira. Muito mais do que simplesmente histórias bem contadas, trazemos um sólido trabalho de pesquisa em mitologia e folclore, que serviu para embasá-las e alinhavá-las.

A capa do livro, ainda não finalizada. Não está ficando o máximo?

Teço esta rede com minha experiência de vários anos pesquisando de mitos e contos de fadas. Os fios se estenderam pelas mãos de Aya Imaeda, Cristina Pezel, Daniel Folador Rossi, Diego Guerra, Isa Próspero, Luiz Felipe Vasques, Sid Castro, Silas Chosen  e Simone Saueressig (se atingirmos as metas extras, haverá mais um – surpresa!).

Para incrementar a pré-venda, a Editora Draco deu início a uma campanha no Catarse, através da qual a obra pode ser adquirida com desconto, brindes, como postais e marcadores de página, e ainda em conjunto com os outros livros de fantasia da editora, tais como as demais coletâneas organizadas por mim: Excalibur, Medieval (coorganizada com Eduardo Kasse e Prêmio Argos de Ficção Fantástica em 2017) e Magos (Prêmio Argos de 2018).

Se você curtiu a ideia, não hesite: dê um passo à frente, acesse o link do Catarse. Se não é muito fã de duendes e folclore, ou de fantasia sombria, tudo bem – mas ficaremos muito gratos se compartilhar o link, esta postagem ou os nossos posts em redes sociais. 

domingo, junho 23, 2019

Parceria Tabula Rasa: Fantásticas

Pessoas Queridas,

Sigo com as postagens da parceria com o portal Tabula Rasa, que está com a campanha #LivroBRNoCinema.

Segundo suas idealizadoras, Anny Lucard e Louise Duarte, a campanha se propõe a divulgar livros nacionais com potencial para se tornarem filmes, bem como como prestar um serviço diferenciado, de baixo custo, focando a divulgação de autores nacionais ainda desconhecidos do grande público. Os blogs parceiros irão divulgar esses livros, e também uns aos outros, criando o efeito "teia" que tanto adoro quando se trata de partilhar cultura, literatura e informação.




O livro que recomendo hoje é Fantástica, coletânea da Giz Editorial organizada por Giulia Moon e Walter Tierno, trazendo contos de amor, terror e aventura. Entre seus autores está Dany Fernandez, redatora do blog Barato Literário, no qual ela divulga não apenas literatura, mas quadrinhos, eventos e muitas coisas legais.

Vamos conferir?