sexta-feira, janeiro 11, 2019

A Bruxa Meregilda


       Não é segredo pra ninguém que existem casas assombradas. Algumas podem dar dor de cabeça aos moradores – quando têm fantasmas de pessoas malvadas, por exemplo, ou aqueles monstros peludos que se escondem no armário – mas outros seres podem tornar a experiência bem divertida.

            O apartamento em que eu morava quando criança era assombrado por um duende. Ele era bonzinho, não brigava com ninguém nem fazia barulho, de forma que os adultos da família até esqueciam que estava em casa. Aí, quando ninguém esperava, ele fazia das suas, bagunçando os livros do meu pai ou deslizando um dedinho curioso pelo quadro recém-pintado da minha irmã.

            Eu também era alvo das travessuras do tal duende. Uma coisa que ele fazia era encolher minhas roupas, um tantinho por vez, de forma que depois de uns meses elas não cabiam mais. Também escrevia nos meus cadernos - eu tinha que comprar um novo toda semana. E cada história era mais doida que a outra. A maioria eu joguei fora, mas algumas guardei e ainda leio de vez em quando. Só pra lembrar de como era viver com aquele duende arteiro.
Quem me conhece sabe: os duendes não saíram da minha vida.
Os cadernos também não.


            À medida que eu crescia, ele foi ficando mais discreto, mas ainda aparecia de vez em quando. Nos fins de semana, minha mãe ficava acordada até tarde, e jura que escutava o duende entrar em casa pé-ante-pé. Isso só acabou depois que me casei e fui morar em Portugal. O duende sumiu na mesma época, e, pelo que sei, meus pais e minha irmã sentiram muita falta dele.

            Não sei se os lugares onde morei depois eram assombrados. De vez em quando o banheiro ficava alagado ou o bife queimava, mas essas provas não são suficientes. Além do mais, minhas roupas passaram a servir durante anos e ninguém escreveu uma linha sequer nos meus cadernos. Minha vida era bem mais tranqüila do que antes. Mas não tão divertida.

            Então, algum tempo depois de eu ter mudado para o meu novo apartamento, comecei a perceber uma presença estranha. Não era um duende nem um monstro. Só descobri o que era algum tempo mais tarde, quando minha filha Luciana tinha uns três anos. Foi aí que a bruxa começou a nos visitar.

Luciana aos cinco anos, quando já era
grande amiga da Meregilda. ;)

            Eu disse bruxa, sim, mas fiquem calmos. A maioria das bruxas é do Bem, pelo menos quando a gente é legal com elas. O que lhes dá má fama é o fato de que não são pessoas comuns. Podem se vestir, falar e agir como todo mundo, mas, olhando bem, dá pra ver que lá no fundo elas são diferentes. Isso assusta mais do que vocês podem imaginar.

            Seja como for, a bruxa apareceu numa noite de chuva, quando a Luciana não estava querendo ir se deitar. Eu já tinha insistido, oferecido leite quente e cantado musiquinhas pra ela, e nada. Fui ficando impaciente, cheguei a contar um-dois-três, e mãe quando conta um-dois-três pode apostar que a coisa é séria. Mesmo assim, ela ainda não queria dormir, e eu ia começar a brigar quando, de repente, quem foi que surgiu do nada e se intrometeu?

            Pois foi ela mesma, a bruxa. E era uma bruxa até simpática, só que muito séria. Cruzando os braços, ela olhou para a Luciana e disse que se chamava Meregilda; que dormia durante o dia e acordava às nove da noite, e que, a essa hora, as crianças tinham que ir para a cama. Luciana fez uma cara meio de medo, meio de choro, e foi então que a Bruxa Meregilda propôs fazer um trato com ela.

            Vocês sabem que as bruxas fazem tratos, não é? Sua voz em troca de um par de pernas, seu bebê por um repolho e coisas assim. Mas a proposta da Meregilda foi mais simples. Foi o seguinte: a Luciana ia logo pra cama e a bruxa contava uma história pra ela. Uma história emocionante, mas não assustadora. E que fazia ter ótimos sonhos.

            Ouvindo isso, a Luciana se animou, mas ainda estava em dúvida e olhou pra mim. Como a essa altura eu já tinha percebido que a bruxa era legal, falei que ela devia experimentar, e lá se foram as duas de mãos dadas para o quarto.

            E o que aconteceu? Aconteceu que a Meregilda contou uma história ótima. Ou talvez nem fosse tão boa, e sim apenas uma história maluca feito aquelas do duende. Só que a bruxa contava de um jeito engraçado, e ainda dava um jeito de aproveitar as coisas que a Luciana dizia no meio. E quando, depois de muita contação e muita risada, minha filha pegou no sono, o sorriso dela me deu a certeza de que aquela era a primeira de uma longa série de histórias.

            A partir daí, a Bruxa Meregilda voltou várias vezes. Nem sempre tinha histórias novas, então repetia uma que tivesse feito sucesso ou pegava emprestado num livro. Com o tempo, a Luciana também aprendeu a ler, e as duas liam em voz alta uma para a outra. Na verdade, fizeram isso ontem mesmo, e algo me diz que vão fazer hoje de novo. Porque, se vocês pensam que a Meregilda foi embora depois que a Luciana cresceu, podem tirar o cavalinho da chuva! Ela continua por aqui. E pelo jeito não vai embora tão cedo.

E não vai mesmo. Ela está a todo vapor. Na Bienal 2017, por
exemplo, foi vista em companhia de jovens escritores, como
Danilo Sarcinelli.
            E sabem o que mais? Eu acho que nos últimos tempos ela anda se encontrando com o duende, aquele de quando eu era criança, e trazendo ele escondido aqui em casa. Quem mais teria feito uma história tão doida como esta aparecer no meu computador?

segunda-feira, dezembro 31, 2018

FELIZ ANO NOVO, DE TODOS NÓS!



E que possamos nos encontrar muitas vezes, em todos os universos, o real e os imaginários!

Abraços e até breve!

***

Ilustração de Hidaru Mei

domingo, dezembro 23, 2018

Um Balanço de 2018 - Produção Literária


Pessoas Queridas, 

O ano vai chegando ao fim, e eu estou muito cansada em vários sentidos, mas queria deixar um registro daquilo que fiz no campo da Literatura. A ideia é falar da produção, depois das publicações, dos eventos de que participei... Bom, não sei se farei tudo isso, ou se o farei ainda este ano, mas começar já é alguma coisa! 

Eu entrei em 2018 com dois trabalhos importantes já iniciados: "Orlando e o Escudo da Coragem", que pertence ao universo de O Castelo das Águias, e um dos Contos da Clepsidra, narrando a viagem de Lísias e Balthazar à Creta do Rei Minos. "Orlando" era o foco maior, porque eu queria que fosse publicado na Bienal. Era um livro curto, para um público jovem, que eu tinha boa ideia de como seria, mas foi mudando muito ao longo do processo. Finalmente ele foi concluído a tempo de passar pela leitura beta e crítica e de ser lindamente ilustrado e editado pelo super Erick Sama. Ficou com um pouco mais de 30.000 palavras.



Estou muito feliz com esse trabalho, que vem recebendo elogios e que espero seja adotado em duas ou três escolas ano que vem, além de já estar nas mãos de várias crianças. Espero que vocês gostem. Se alguém se interessar, aqui está o link para o livro no site da Editora Draco.

Enquanto escrevia "Orlando e o Escudo da Coragem", eu ia também produzindo muitos textos no universo dos Contos da Clepsidra, mas que dizem respeito a histórias da nova geração. Ao terminar "Orlando" e voltar dos eventos de meio do ano (FLIP e Bienal), voltei a mergulhar nos mares de Creta e... eis que o conto virou novela, praticamente do mesmo tamanho do "Orlando". "Os Touros de Creta" permanece inédito e eu espero publicá-lo dentro de um ou dois anos junto com outras histórias de Balthazar e Lísias.
Ilustração para "Os Touros de Creta" por Hidaru Mei


Ao concluir "Os Touros de Creta", eu estava envolvida com a geração seguinte dos Contos da Clepsidra, e eis que produzi uma série de seis contos longos narrados por Liserbal, um dos filhos de Sikkar de Cartago. Metade ainda está no caderno, mas serão, por baixo, umas 60.000 palavras, que devem ser publicadas apenas online ou no máximo em e-book. Por quê? Porque são contos "slice of life", falam mais do desenvolvimento dos personagens, têm muito pouco de fantástico e propriamente de aventura. São contos que quero dar de presente a quem ler as histórias mais "emocionantes" que sairão em livros. Ou são contos que eu me dei de presente. Vai saber? ;)

Liser e sua esposa prestes a saborear um
delicioso peixe com molho de garum, por Sheila Lima

Então, com a conclusão de "Orlando" e de "Os Touros de Creta" e dos contos de Liserbal, mais outras coisas esparsas escritas aqui e ali - e sem contar os textos de divulgação, posts e outras coisas - eu escrevi 183.326 palavras de janeiro até agora. O número deve aumentar em no máximo umas 5.000 até o fim do ano. É um pouco menos que ano passado, mas a produção poderia ter sido menor ainda; estou muito orgulhosa dos resultados obtidos.

****

E aqui, pessoas queridas, não tem ilustração, mas se tivesse seria uma grande porta aberta, e todo um mundo de histórias que esperam lá fora. Quero vivê-las, espero escrevê-las, prometo partilhá-las.

terça-feira, dezembro 18, 2018

Leituras de 2018: Estrangeiros

Pessoas Queridas,

Cá estou eu de novo para falar do que andei lendo ao longo de 2018. Foi bastante coisa: 112 livros no total até agora, dos quais cerca de setenta estrangeiros, isso sem os contos e fragmentos soltos. Vou compartilhar aqueles que mais curti, sem ordem de preferência, lembrando que o único critério é o prazer (e em alguns casos as reflexões) que essas leituras me proporcionaram. Vamlá?


O Menino que Via Demônios, de Carolyn Jess-Cooke. O livro conta a história de Alex, um menino irlandês com problemas familiares e psicológicos, cujo único amigo declarado é... um demônio de 9.000 anos de idade. À medida que seu tratamento progride, Anya, a psiquiatra, se vê cada vez mais perto da resposta a uma pergunta inquietante: Ruen, o demônio, realmente existe?



A Forma da Água, de Guillermo del Toro e Daniel Kraus. A maioria dos leitores deste blog deve ter visto o filme (que eu ainda não vi) e tenho certeza de que se sensibilizou com a história. Recomendo que também leiam o livro, pois a história contada aqui é maravilhosa do ponto de vista literário. Eu devorei essas páginas (ou melhor, as bebi, pois se trata de água, não é? hehehe) e os raros intervalos me trouxeram muitas reflexões sobre o amor e a condição humana.



Nas Noites Árabes, de Tahir Shah. O autor já passou por esta estante com A Casa do Califa, em que conta seu primeiro ano em Casablanca numa casa assombrada por djinns. Agora, ele narra as histórias que ouviu de vários narradores, numa viagem pelo Marrocos, histórias tradicionais e familiares com um toque de superstição, sabedoria e sobrenatural. E, ao mesmo tempo, se faz uma pergunta: qual dessas histórias é a mais importante para a sua vida?



Reze Pelas Mulheres Roubadas, de Jennifer Clement. Esse livro é triste, muito triste... e, infelizmente, realista. Conta a história de mulheres em localidades do México dominadas pela guerra do tráfico, os duros artifícios da sobrevivência, a quase impossibilidade de quebrar o ciclo, mesmo que se deixe aquele local. Não se trata de documentário, mas de um romance muito bem escrito, que me prendeu do início ao fim e me fez torcer loucamente pela protagonista LadyDi.




Hex, de Thomas Olde Heuvelt. Esse vocês com certeza conhecem, não me alongarei sobre ele. Direi apenas que vale muito a pena conhecer a história criada pelo autor holandês, e transplantada para uma cidade americana onde a população convive com uma bruxa do século XVII e com a maldição que os prende àquele local. Bem escrito e um pouco angustiante, como esse tipo de livro tem de ser.


*****

Bom, essas foram as leituras que destaco, dentre as estrangeiras, neste ano que ora se encerra. Espero que aproveitem algumas dessas dicas e deixem as suas nos comentários.

Ainda nos falamos antes de o ano virar!!

segunda-feira, dezembro 10, 2018

Leituras de 2018: Nacionais

Pessoas Queridas,

Fiquei em dúvida sobre publicar a lista de minhas leituras favoritas este ano. Não são resenhas, não se referem (ou nem sempre) a livros novos pra ficar de olho... não têm muito critério, realmente, só aquilo que li e gostei. Mas como é uma tradição de muitos anos, e os consultados foram unânimes ao dizer que eu deveria mantê-la... Aqui vão, sem ordem de preferência, os livros que mais me agradaram ao longo de 2018, começando pelos nacionais.



O Infinito no Meio, de Priscilla Matsumoto. Esta é a história de Cecília, uma moça que vive numa espécie de “dimensão à parte” do mundo real, chamada por ela de Infinito no Meio e compartilhada com espíritos, vampiros e outros seres incorpóreos. É um espaço, mas na verdade corresponde a um momento: o momento em que Cecília sofreu um grande choque, e que, por assim dizer, a dividiu em duas metades. Um jovem misterioso consegue, enfim, tirá-la de seu isolamento, mas isso a leva a enfrentar outros demônios, mais ameaçadores que os habitantes do Infinito no Meio. Li esse livro de Priscilla de um gole só, assim como li outra obra sua em e-book, Anunciação, que assume um tom mais confessional ao contar a história de uma escritora que lida com seus fantasmas interiores e com sua complicada vida amorosa.




Ninguém Nasce Herói, de Eric Novello. Parece que o autor estava adivinhando o que viria ao escrever essa história passada num Brasil distópico, governado por uma teocracia que persegue opositores e, principalmente, integrantes de minorias. Chuvisco, o protagonista, tem um “herói interior” que se manifesta de forma surpreendente, conferindo maior profundidade ao personagem e um sabor agridoce a todo o texto. Mais uma boa fantasia urbana de Eric Novello.



A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha. Um livro delicioso, ambientado no Rio de Janeiro entre as décadas de 1940 e 1970. Casada com o “certinho” Antenor, mãe de duas crianças e irmã da transgressora Guida, Eurídice é uma dona de casa cuja personalidade vai emergindo através de pequenos atos de rebeldia e de tomada de posição. É tanto uma história familiar quanto uma crônica de costumes, que eu imagino vá agradar a leitores de Machado de Assis, Marques Rebelo e Lygia Fagundes Telles. Curti tanto que até já comprei mais um livro da autora, Nunca Houve um Castelo.



Vikings: Berserker, de Eduardo Massami Kasse. Depois de cinco volumes, muitos contos e agora duas HQs da série Tempos de Sangue, foi muito legal ver o Eduardo mergulhar mais profundamente no mundo viking, o que aliás ele já tinha feito no seu conto “Sacrifício”, na coletânea Medieval. Berserker é a história de um grupo de jovens que se faz ao mar em busca de fama e fortuna – na melhor tradição viking – e vive uma aventura cheia de emoção, perigo, sexo, sangue e sujeira – na melhor tradição de Eduardo Kasse. Vale a pena conferir esse lançamento da Bienal 2018!



Araruama, de Ian Fraser. Não há muito como descrever esse livro independente, que conta a história de vários jovens num continente sul-americano reinventado, cheio de tradições e mistérios. Sei que, apesar de ter visto algumas falhas de revisão, alguns trechos que se beneficiariam de uma edição melhor, o texto me prendeu do início ao fim. Ou talvez o universo criado pelo Ian e os personagens às vezes heroicos, às vezes trágicos, sempre indiscutivelmente humanos, mesmo que um deles tenha orelhas de onça. Em breve sairá o livro 2 e eu quero muito ler para saber o que acontecerá com seus jovens protagonistas.

*****

Além desses livros, menciono também alguns trabalhos mais curtos que chamaram minha atenção. Diogo Andrade publicou a novela A Canção dos Shenlongs, prelúdio a um texto mais longo que eu espero com antecipação, porque a escrita e a construção de universo são de primeira linha. Karen Alvares, Camila Fernandes, Sheila Lima Wing, Cristiano Konno continuam a publicar excelentes contos curtos. Claudia Dugim nos brindou com Volte Para o Seu Lar, um conto sobre duendes e uma cidade cheia de doçuras apenas aparentes, e com os textos de Rede Vermelha Sobre o Oceano de Merda, um dos quais eu já vou favoritando para o Prêmio Argos 2019. Por fim: não li ainda a coletânea, que saiu sob o título O Auto da Maga Josefa, mas o conto que eu já conhecia de Paola Lima Siviero, ambientado no agreste e protagonizado por Josefa e Toninho, me faz ter certeza de que vale a pena adquirir o e-book.

*****

Bom, Pessoas... É isso. Espero que curtam as dicas. Logo logo eu volto, compartilhando as leituras de obras estrangeiras.

Até lá!