sábado, julho 21, 2018

Pré-Venda de Orlando e Participação na Casa Fantástica da FLIP

Pessoas Queridas,

Este post se destina a dar duas notícias de suma importância. Em primeiro lugar...

YESSSS! Orlando e o Escudo da Coragem será lançado na Bienal e está em pré-venda! É o meu décimo livro solo e, tal como Anna e a Trilha Secreta, seu público-alvo são crianças a partir dos 10 ou 11 anos. Mas, assim como da Anna, pessoas de todas as idades podem gostar.



Sinopse e demais informações estão no site da Editora Draco, e no Blog do Castelo tem algumas postagem sobre o personagem e o processo de escrita. Basta clicar no ícone azul aí do lado direito (subindo o cursor um pouquinho) e, no blog, clicar no marcador O Escudo da Coragem para acessá-las.

A outra notícia é sobre minha participação na Casa Fantástica da FLIP, que será no dia 26 de julho, às 16 h. Partilho mesa com Diego Guerra e Marcelo Paschoalin e vamos falar de sagas e trilogias na Literatura Fantástica nacional.


A programação completa desse evento, que reunirá mais de 40 autores de Literatura Fantástica, pode ser acessada aqui

Estou superfeliz pelas duas coisas (e bem ansiosa, como devem imaginar). Espero encontrar alguns de vocês na FLIP, bem como receber algum feedback sobre a leitura de Orlando. Mas só estar compartilhando essas notícias com vocês, depois de tantas batalhas, já é uma alegria enorme.

Até breve!

terça-feira, julho 10, 2018

Meio Portuguesa...


Várias vezes fui levada a responder à clássica pergunta: "por que escreve sobre castelos, já que é brasileira?"

A resposta mais simples é: cada um escreve sobre o que quer e o que gosta, e está acabado.

Outra resposta simples e um pouco malcriada é: você faria a mesma pergunta a autores norte-americanos? Sim, porque se eu "tenho que" escrever sobre o Saci e o Curupira, o George R. R. Martin "tem que" escrever sobre o Coiote e o Pássaro-Trovão! :)

A resposta mais complexa e mais honesta tem a ver com a cultura dominante no Brasil, que se construiu sobre moldes europeus. Foi o que lemos quando crianças e é o que continuamos a ler; só lentamente a fantasia nacional vem incorporando elementos indígenas e africanos. E eu acho isso maravilhoso - inclusive já escrevi contos ambientados aqui e ligados a mitos indígenas - mas, ei! O fato de ser legal, relevante e importante não torna nada obrigatório quando se trata do gênero fantástico. Lembram-se da resposta mais simples, escrever sobre o que você gosta? Então. Se eu continuo a amar histórias de castelos, escrevo histórias de castelos...embora o faça com meu jeitinho todo brasileiro, ou melhor, meu jeitinho meio portuguesa, meio quatro queijos.

O português era meu pai, veio menino de uma terra antiga cheia de fadas moiras e castelos, e este fica na aldeia em que ele nasceu.

***

Na foto: o Castelo de São João do Arade, em Ferragudo, Portimão.

sexta-feira, julho 06, 2018

A Quinta Feira Medieval da Quinta


Pessoas Queridas,

Mais uma vez estarei na Feira Medieval na Quinta da Boa Vista (a quinta edição da Feira!). Será no domingo, dia 8 de julho, das 10 às 18 h. Levarei os livros de Athelgard e as coletâneas "Magos", "Medieval" e "Excalibur", e vou autografar a coletânea "Histórias Fantásticas do Guardião", de que participei a convite dos editores. Também está prevista uma minipalestra sobre as raízes medievais da Literatura Fantástica e o sorteio de um exemplar de "Medieval".

Apareçam, vai ser mágico!

terça-feira, julho 03, 2018

Quase Crônica


       Hoje eu andei sentindo o amor no ar. Primeiro foram duas moças no parque, sorrindo uma para a outra enquanto seus cães trocavam cumprimentos de focinho. Depois um rapaz de cabelos longos e olhos sonhadores correndo atrás de uma garota para devolver seu lenço de pashmina, vaporosamente caído na rua.

       Mal entramos no inverno e setembro anda longe, mas hoje eu amanheci em primavera.

domingo, junho 17, 2018

Depoimento para um Colégio



Esta semana, o pai de uma estudante me procurou através de uma colega da Biblioteca Nacional querendo um depoimento sobre a carreira de escritora, mas que falasse especialmente de como é ter sua publicação recusada. Isso acontece com 99% ou mais dos escritores, aconteceu comigo, por isso não tive problema em explicar.

Tinha feito um vídeo bacaninha, mas ficou pesado demais, não tive como enviá-lo. * O depoimento acabou indo por escrito e apressado, mas acho que eu disse o que tinha a dizer. 

E compartilho com vocês.

***


Meu nome é Ana Lúcia Merege, sou escritora, principalmente de fantasia para jovens. Escrevo desde sempre, mas comecei a mandar originais para editoras por volta de 1995. Nessa época não havia redes sociais, a Internet estava começando, não havia blogs e plataformas de publicação digital; o jeito de publicar era mandar o texto impresso para a mesa do editor e torcer para que fosse lido. Só que, desde aquela época, os editores recebem muito mais obras do que conseguem ler, de forma que frequentemente você não conseguia nem um retorno. Se conseguisse, mais de 99% das vezes o livro era recusado, mesmo que o editor gostasse dele, porque publicar e divulgar um livro custa caro e as editoras dificilmente apostam em pessoas desconhecidas (eis por que celebridades conseguem lançar livros facilmente e escritores tarimbados às vezes não: eles têm um público que irá comprar o livro e dar retorno financeiro à editora). 

No meu caso, tive muitas recusas (e na maioria das vezes fui ignorada) ao mandar meu primeiro original, que era de um livro para jovens chamado O Caçador. Aí resolvi fazer uma publicação independente, que vendia para amigos e alunos. E olha a sorte que eu dei: um editor gostou dele e resolveu publicar! E continuei dando sorte porque -- isso já era 2009, vejam o tempo que levei até conseguir! -- estavam começando as redes sociais, eu comecei a postar em um blog (que existe desde 2002**) e conheci pessoas que me encaminharam a outras editoras. Estas gostaram do que eu fazia, e então comecei a publicar. Tenho hoje mais de dez livros publicados, inclusive uma trilogia de fantasia iniciada pelo livro O Castelo das Águias, pela Editora Draco, de São Paulo. Também organizei e participei de coletâneas de contos, estou sempre em eventos - este ano vou estar na Feira Medieval, dia 8 de julho, na Quinta da Boa Vista, e depois na FLIP e na Bienal do Livro. Não sou superconhecida, mas tenho uma carreira e certo reconhecimento por parte de quem escreve dentro do gênero fantástico. 

Apesar das dificuldades que encontrei - e ainda encontro, não é fácil conquistar leitores, ainda mais em editoras pequenas! -- eu nunca desisti. Quem gosta de escrever e contar histórias sempre fará isso e encontrará um jeito de aparecer, mesmo que seja em blogs ou plataformas digitais, ou com livros independentes. A quem quer seguir esse caminho sugiro que leia muito, leia coisas variadas, veja filmes, seja observador em todos os sentidos... e escreva, faça cursos, exercite sempre a escrita. É importante também falar com outros escritores e trocar ideias, vão encontrar um monte de gente no Facebook e outras redes sociais. Nesse processo críticas e recusas são normais, mas se alguém vier falando que seu trabalho é ruim porque parece com o de determinado escritor, não desanime. No início é comum a gente meio que imitar os escritores de quem gosta. É preciso algum tempo para que encontremos nossa própria voz.

***

Isso foi o que escrevi, na pressa, para ser lido diante dos estudantes. Alguém tem algo a acrescentar ou quer deixar seu depoimento?

* atualização: consegui mandar bem cedo no dia seguinte! 

** este blog aqui, mas começou com outro nome e no servidor do IG. Nem sei se ainda existe.