domingo, abril 07, 2019

Parceria Tabula Rasa : Quem Precisa de Heróis?

Pessoas Queridas,

Prosseguindo na divulgação dos demais parceiros na campanha #LivroBRNoCinema, do portal Tabula Rasa, venho apresentar o livro "Quem Precisa de Heróis?, da Vivianne Fair.




Neste livro, Sephira é uma jovem donzela que está fugindo, perseguida por dois encapuzados. Para a sorte da moça, quatro heróis estilosos surgem para salvá-la. Azar o deles se morrem por suas mãos.

São ressuscitados por um clérigo e têm que pagar uma taxa absurda. Como heróis não costumam ter dinheiro – fazem tudo de bom coração e com os conselhos de seus livros de auto-ajuda – resolvem ir em busca da jovem e receber a recompensa pela captura dela, além de salvar o mundo da ameaça que a moça representa: pode destruir tudo com um... espirro! 

De seu lado, a jovem logo encontra um elfo boa-pinta disposto a ajudá-la. Afinal, ela destruiu a sua aldeia e agora ele não tem nada melhor para fazer. De outro, um belo e poderoso feiticeiro, no melhor estilo vilão de RPG, deseja o poder de Sephira e procura seduzi-la. Envia à moça um ovo, que revela ser um enorme dragão vermelho voador cuspidor de fogo. Claro que isso desperta nela seu instinto maternal, e a jovem acolhe o dragão de quinze metros com muito carinho.

Quem está certo, no final das contas? Você teria alguma ideia de como impedir alguém que pode destruir o mundo na primeira TPM?

...

"Quem Precisa de Heróis" foi lançado numa campanha de financiamento coletivo. Eu participei e tenho o livro, que ainda não li -- mas tenho certeza de que ele é tão legal quanto os outros trabalhos da autora, que incluem sua série "A Caçadora", o romance "A Rainha Sombria" e o conto "A Elfa Maga", publicado na coletânea Magos, que organizei para a Editora Draco.

Esses e outros trabalhos da Vivianne -- inclusive suas ilustrações e tirinhas divertidas -- vocês encontram no site da autora, o Recanto da Chefa. Passem lá!

E até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

segunda-feira, abril 01, 2019

Parceria Tabula Rasa : A Vampira Nerd

Pessoas Queridas,

Prosseguindo na divulgação dos demais parceiros na campanha #LivroBRNoCinema, do portal Tabula Rasa, venho apresentar o canal A Vampira Nerd.


Sobre o canal, diz sua criadora, a gamer e designer gráfica Rebeca Monteiro:

“Sou apaixonada pelo mundo cinematográfico e aqueles filmes coreanos que dão o que falar. No meu canal, você pode encontrar informações como aqueles filmes que foram inspirados por livros, críticas de filmes e seriados e não esquecendo de falar dos poderes ou curiosidades dos seus super-heróis favoritos. Com uma paixão pelo mundo cinematográfico, criei esse canal para compartilhar ideias e conhecimento da cultura pop e cultura oriental.”

Eu não sou fã de dorama, então assisti a um vídeo da Rebeca sobre o filme "Diário de uma Paixão". Achei a análise muito interessante, favorecida pelo jeito espontâneo da blogueira. Foi bem legal a forma como ela abordou as diferenças entre o livro e o filme, uma coisa que nem sempre a gente vê - frequentemente vemos analisados só um ou só o outro. Esse foi um plus que encontrei e do qual gostei muito.

Assim, convido todo mundo a conhecer e a se inscrever no canal da Vampira Nerd -- ela tem muito a dizer e diz de um jeito bacana!

Até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

segunda-feira, março 25, 2019

Parceria Tabula Rasa : Ah, e Por Falar Nisso

Pessoas Queridas,

Eu sei, eu sei que este blog anda meio parado. São dezessete anos... Não há como manter uma produção constante. E este ano vai demorar um pouco para ter novidades, eventos, masssss... para agitar um pouco as coisas, venho anunciar que fechei uma parceria com o portal Tabula Rasa, que está com a campanha #LivroBRNoCinema .


Segundo suas idealizadoras, Anny Lucard e Louise Duarte, a campanha se propõe a divulgar livros nacionais com potencial para se tornarem filmes, bem como como prestar um serviço diferenciado, de baixo custo, focando a divulgação de autores nacionais ainda desconhecidos do grande público. Os blogs parceiros irão divulgar esses livros, e também uns aos outros, criando o efeito "teia" que tanto adoro quando se trata de partilhar cultura, literatura e informação.

O primeiro blog que divulgo aqui é o Ah, e Por Falar Nisso.... Criado em 2008 como um blog pessoal, tornou-se uma página que oferece informação, opinião e curiosidades sobre diversos produtos da cultura pop. Cinema, TV, literatura, música, comportamento nas ruas e na rede -- tudo isso tem espaço nesta página, criada pela jornalista Fabiane Bastos. Dei uma passeada no blog e encontrei artigos muito legais sobre séries e filmes que estão sendo lançados agora, escritos por uma blogueira antenadíssima. Vale a pena conferir!

Até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

sexta-feira, janeiro 11, 2019

A Bruxa Meregilda


       Não é segredo pra ninguém que existem casas assombradas. Algumas podem dar dor de cabeça aos moradores – quando têm fantasmas de pessoas malvadas, por exemplo, ou aqueles monstros peludos que se escondem no armário – mas outros seres podem tornar a experiência bem divertida.

            O apartamento em que eu morava quando criança era assombrado por um duende. Ele era bonzinho, não brigava com ninguém nem fazia barulho, de forma que os adultos da família até esqueciam que estava em casa. Aí, quando ninguém esperava, ele fazia das suas, bagunçando os livros do meu pai ou deslizando um dedinho curioso pelo quadro recém-pintado da minha irmã.

            Eu também era alvo das travessuras do tal duende. Uma coisa que ele fazia era encolher minhas roupas, um tantinho por vez, de forma que depois de uns meses elas não cabiam mais. Também escrevia nos meus cadernos - eu tinha que comprar um novo toda semana. E cada história era mais doida que a outra. A maioria eu joguei fora, mas algumas guardei e ainda leio de vez em quando. Só pra lembrar de como era viver com aquele duende arteiro.
Quem me conhece sabe: os duendes não saíram da minha vida.
Os cadernos também não.


            À medida que eu crescia, ele foi ficando mais discreto, mas ainda aparecia de vez em quando. Nos fins de semana, minha mãe ficava acordada até tarde, e jura que escutava o duende entrar em casa pé-ante-pé. Isso só acabou depois que me casei e fui morar em Portugal. O duende sumiu na mesma época, e, pelo que sei, meus pais e minha irmã sentiram muita falta dele.

            Não sei se os lugares onde morei depois eram assombrados. De vez em quando o banheiro ficava alagado ou o bife queimava, mas essas provas não são suficientes. Além do mais, minhas roupas passaram a servir durante anos e ninguém escreveu uma linha sequer nos meus cadernos. Minha vida era bem mais tranqüila do que antes. Mas não tão divertida.

            Então, algum tempo depois de eu ter mudado para o meu novo apartamento, comecei a perceber uma presença estranha. Não era um duende nem um monstro. Só descobri o que era algum tempo mais tarde, quando minha filha Luciana tinha uns três anos. Foi aí que a bruxa começou a nos visitar.

Luciana aos cinco anos, quando já era
grande amiga da Meregilda. ;)

            Eu disse bruxa, sim, mas fiquem calmos. A maioria das bruxas é do Bem, pelo menos quando a gente é legal com elas. O que lhes dá má fama é o fato de que não são pessoas comuns. Podem se vestir, falar e agir como todo mundo, mas, olhando bem, dá pra ver que lá no fundo elas são diferentes. Isso assusta mais do que vocês podem imaginar.

            Seja como for, a bruxa apareceu numa noite de chuva, quando a Luciana não estava querendo ir se deitar. Eu já tinha insistido, oferecido leite quente e cantado musiquinhas pra ela, e nada. Fui ficando impaciente, cheguei a contar um-dois-três, e mãe quando conta um-dois-três pode apostar que a coisa é séria. Mesmo assim, ela ainda não queria dormir, e eu ia começar a brigar quando, de repente, quem foi que surgiu do nada e se intrometeu?

            Pois foi ela mesma, a bruxa. E era uma bruxa até simpática, só que muito séria. Cruzando os braços, ela olhou para a Luciana e disse que se chamava Meregilda; que dormia durante o dia e acordava às nove da noite, e que, a essa hora, as crianças tinham que ir para a cama. Luciana fez uma cara meio de medo, meio de choro, e foi então que a Bruxa Meregilda propôs fazer um trato com ela.

            Vocês sabem que as bruxas fazem tratos, não é? Sua voz em troca de um par de pernas, seu bebê por um repolho e coisas assim. Mas a proposta da Meregilda foi mais simples. Foi o seguinte: a Luciana ia logo pra cama e a bruxa contava uma história pra ela. Uma história emocionante, mas não assustadora. E que fazia ter ótimos sonhos.

            Ouvindo isso, a Luciana se animou, mas ainda estava em dúvida e olhou pra mim. Como a essa altura eu já tinha percebido que a bruxa era legal, falei que ela devia experimentar, e lá se foram as duas de mãos dadas para o quarto.

            E o que aconteceu? Aconteceu que a Meregilda contou uma história ótima. Ou talvez nem fosse tão boa, e sim apenas uma história maluca feito aquelas do duende. Só que a bruxa contava de um jeito engraçado, e ainda dava um jeito de aproveitar as coisas que a Luciana dizia no meio. E quando, depois de muita contação e muita risada, minha filha pegou no sono, o sorriso dela me deu a certeza de que aquela era a primeira de uma longa série de histórias.

            A partir daí, a Bruxa Meregilda voltou várias vezes. Nem sempre tinha histórias novas, então repetia uma que tivesse feito sucesso ou pegava emprestado num livro. Com o tempo, a Luciana também aprendeu a ler, e as duas liam em voz alta uma para a outra. Na verdade, fizeram isso ontem mesmo, e algo me diz que vão fazer hoje de novo. Porque, se vocês pensam que a Meregilda foi embora depois que a Luciana cresceu, podem tirar o cavalinho da chuva! Ela continua por aqui. E pelo jeito não vai embora tão cedo.

E não vai mesmo. Ela está a todo vapor. Na Bienal 2017, por
exemplo, foi vista em companhia de jovens escritores, como
Danilo Sarcinelli.
            E sabem o que mais? Eu acho que nos últimos tempos ela anda se encontrando com o duende, aquele de quando eu era criança, e trazendo ele escondido aqui em casa. Quem mais teria feito uma história tão doida como esta aparecer no meu computador?

segunda-feira, dezembro 31, 2018

FELIZ ANO NOVO, DE TODOS NÓS!



E que possamos nos encontrar muitas vezes, em todos os universos, o real e os imaginários!

Abraços e até breve!

***

Ilustração de Hidaru Mei