quarta-feira, julho 10, 2019

Arthur Rackham, Artista do Mundo Feérico

Pessoas Queridas,

Venho compartilhar um pouco sobre o trabalho de Arthur Rackham, cuja arte será reproduzida nos marcadores e postais da coletânea Duendes: contos sombrios de reinos invisíveis.



Rackham (1867 – 1939) nasceu em Londres, numa família com doze filhos. Segundo seu biógrafo, Derek Hudson, era apaixonado por desenho desde criança e escondia papel e lápis sob as cobertas; quando sua mãe confiscava o papel, desenhava na fronha do travesseiro (eu queria ter visto esses desenhos).

Aos 18 anos o jovem Rackham começou a trabalhar como escriturário e, ao mesmo tempo, a estudar e praticar na Lambeth School of Art. Em 1892 deixou o escritório e passou a trabalhar como repórter e ilustrador no jornal The Westminster Budget, mas os desenhos que realizava para eles eram muito convencionais. Assim, voltou seu interesse para os livros ilustrados, onde tinha mais liberdade criativa. Sua primeira ilustração em livro foi publicada num guia dos Estados Unidos e Canadá, chamada To the Other Side, em 1893. Tempos depois, trabalhou em The Ingoldsby Legends (1898) e Tales from Shakespeare (1889), considerados dois dos mais importantes livros ilustrados daquela época.

Ilustração de The Ingoldsby Legends

A consagração de Arthur Rackham como ilustrador se deu com a publicação da primeira edição de The Fairy Tales of the Brothers Grimm, em 1900. O livro foi um sucesso, várias vezes reeditado, e apenas um dos muitos que ilustrou com temas ligados aos contos de fadas. Segundo o artista, seu sucesso se devia ao profundo conhecimento dos contos e do imaginário associado – e a verdade é que seus melhores e mais conhecidos trabalhos seguem a temática feérica, ou se referem à literatura para crianças e jovens com um pé na fantasia, como Peter Pan (o autor J. M. Barrie contratou Rackham para ilustrar Peter Pan in Kensington Gardens, livro que saiu em 1906 e antecede a “obra canônica” Peter and Wendy, de 1911) e Alice in Wonderland (1907). Outras obras de grande sucesso foram Rip van Winkle (1905), The Romance of King Arthur (1917) e The Legend of Sleepy Hollow (1920).


As fadas de Rackham

Nos anos 1920, tendo ilustrado dezenas de livros e recebido prêmios, Arthur Rackam viu suas vendas descrescerem um pouco no Reino Unido, ao mesmo tempo que sua fama se ampliava nos Estados Unidos da América. Na década seguinte sua saúde, assim como a de sua esposa, Edith, começou a declinar. Ainda assim, o artista continuou a produzir maravilhas, como uma bela edição dos contos de Andersen (1932), ilustrações para Goblin Market, de Christina Rossetti (1933) e, no mesmo ano, The Arthur Rackham Fairy Book.

O último projeto em que Rackham trabalhou teve para ele um grande valor sentimental: as ilustrações de The Wind in the Willows (escrito por Kenneth Grahame em 1908), que não pudera fazer alguns anos antes devido a outros compromissos, mas que lhe vinham sendo pedidas por pequenos leitores. A última ilustração foi concluída pouco antes da morte do artista, de câncer, em 1939. O livro foi publicado postumamente no ano seguinte.

O Piquenique do Toupeira e do Rato d´Agua, em
The Wind in the Willows

Arthur Rackham deixou um incrível legado que inspirou muitos artistas plásticos e escritores. Desejamos que inspire também os leitores de Duendes, razão pela qual utilizamos suas ilustrações, hoje em domínio público, na arte das nossas recompensas. Por enquanto, quem adquirir a coletânea através do Catarse irá receber um postal e um marcador, mas esse brinde será duplicado tão logo a campanha atinja a meta estendida de R$ 8.000,00. E esse é só o primeiro dos nossos potes de ouro!

Vem com a gente?





Para conhecer, apoiar e divulgar entre no site do Catarse. Agradecemos desde já por sua colaboração!

quinta-feira, julho 04, 2019

Duendes: Contos Sombrios de Reinos Invisíveis : Catarse


Pessoas queridas,

Venho apresentar o meu novo projeto na Editora Draco. Trata-se da coletânea Duendes : contos sombrios de reinos invisíveis.

O livro reúne dez (talvez venham a ser onze!) dos melhores autores nacionais de fantasia, cujas narrativas mostram o Povo Pequeno em seu aspecto mais sinistro. Algumas são ambientadas no mundo contemporâneo, outras se inspiram em histórias tradicionais de várias culturas: a britânica, a eslava, a japonesa, a latino-americana e, claro, a brasileira. Muito mais do que simplesmente histórias bem contadas, trazemos um sólido trabalho de pesquisa em mitologia e folclore, que serviu para embasá-las e alinhavá-las.

A capa do livro, ainda não finalizada. Não está ficando o máximo?

Teço esta rede com minha experiência de vários anos pesquisando de mitos e contos de fadas. Os fios se estenderam pelas mãos de Aya Imaeda, Cristina Pezel, Daniel Folador Rossi, Diego Guerra, Isa Próspero, Luiz Felipe Vasques, Sid Castro, Silas Chosen  e Simone Saueressig (se atingirmos as metas extras, haverá mais um – surpresa!).

Para incrementar a pré-venda, a Editora Draco deu início a uma campanha no Catarse, através da qual a obra pode ser adquirida com desconto, brindes, como postais e marcadores de página, e ainda em conjunto com os outros livros de fantasia da editora, tais como as demais coletâneas organizadas por mim: Excalibur, Medieval (coorganizada com Eduardo Kasse e Prêmio Argos de Ficção Fantástica em 2017) e Magos (Prêmio Argos de 2018).

Se você curtiu a ideia, não hesite: dê um passo à frente, acesse o link do Catarse. Se não é muito fã de duendes e folclore, ou de fantasia sombria, tudo bem – mas ficaremos muito gratos se compartilhar o link, esta postagem ou os nossos posts em redes sociais. 

domingo, junho 23, 2019

Parceria Tabula Rasa: Fantásticas

Pessoas Queridas,

Sigo com as postagens da parceria com o portal Tabula Rasa, que está com a campanha #LivroBRNoCinema.

Segundo suas idealizadoras, Anny Lucard e Louise Duarte, a campanha se propõe a divulgar livros nacionais com potencial para se tornarem filmes, bem como como prestar um serviço diferenciado, de baixo custo, focando a divulgação de autores nacionais ainda desconhecidos do grande público. Os blogs parceiros irão divulgar esses livros, e também uns aos outros, criando o efeito "teia" que tanto adoro quando se trata de partilhar cultura, literatura e informação.




O livro que recomendo hoje é Fantástica, coletânea da Giz Editorial organizada por Giulia Moon e Walter Tierno, trazendo contos de amor, terror e aventura. Entre seus autores está Dany Fernandez, redatora do blog Barato Literário, no qual ela divulga não apenas literatura, mas quadrinhos, eventos e muitas coisas legais.

Vamos conferir?

quinta-feira, junho 20, 2019

Parceria Tabula Rasa: Vanguardia

Pessoas Queridas,

Retomo aqui as postagens da parceria com o portal Tabula Rasa, que está com a campanha #LivroBRNoCinema.

Segundo suas idealizadoras, Anny Lucard e Louise Duarte, a campanha se propõe a divulgar livros nacionais com potencial para se tornarem filmes, bem como como prestar um serviço diferenciado, de baixo custo, focando a divulgação de autores nacionais ainda desconhecidos do grande público. Os blogs parceiros irão divulgar esses livros, e também uns aos outros, criando o efeito "teia" que tanto adoro quando se trata de partilhar cultura, literatura e informação.




O livro que recomendo hoje é Vanguardia, de Joe de Lima, um thriller com toques de terror e ficção científica. Vejam a sinopse da Amazon:

Atravessando o espaço sideral, a Vanguardia está numa jornada de cento e quarenta anos rumo a um planeta desabitado. No interior da nave colonizadora, seções protegidas por imponentes portas de aço transportam uma tripulação de cinquenta mil pessoas acomodadas em cápsulas de sono. Quando uma dessas câmaras dá defeito, um jovem enfermeiro chamado Victor acorda antes da hora.

Sem pistas do que realmente está acontecendo, Victor se depara com um grupo de desconhecidos e um ambiente opressor. À medida em que um passado distante vem à tona, um pesadelo desperta, ameaçando as vidas de todos.


Legal, não é? Vamos lá conferir o livro do Joe!

E até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

domingo, junho 02, 2019

Eventos de Maio - Fotos e Lembranças



Eu já estava ficando impaciente, confesso. O ano avançava, avançava, e nada acontecia. Estava escrevendo, claro, e trabalhando na BN, mas nada de eventos literários. Eu estava com saudade!

Felizmente, em maio surgiram os primeiros convites para eventos, a começar pela oficina de Criação de Mundos Fantásticos que ministrei na UFRJ-ECO, no decorrer da SIQ - Semana Internacional de Quadrinhos.


Ao meu lado estava o grande amigo e "parceiro de doideiras" Luiz Felipe Vasques. O público, formado na maioria por estudantes da ECO, adorou a oficina, e já estamos sendo sondados para fazer outra edição. Ainda não tem nada certo, mas... Quem sabe?



Já no dia seguinte foi a vez de falar com o público mais novo, no SESC Niterói. Escrevo para crianças na faixa dos 9 anos para cima, mas esse grupo era bem variado, dos 6 aos 12 anos de idade, além de alguns educadores. 


Sem problema: todo mundo era bem animado, e foi muito legal conversar com eles, contar como é ser escritor e ficar sabendo que vários também escrevem histórias e poemas.



Por fim, nos dias 25 e 26 de maio aconteceu o NitComics, quando eu e a Cristina Pezel, minha companheira nos eventos do grupo Fantasia Brasil, levamos nosso trabalho para expor no Praia Clube São Francisco.



Embora mais voltado para os quadrinhos e quadrinistas, o evento trouxe uma oportunidade de interagir com o público, o encontro com alguns amigos e a surpresa de ver ali vizinhos, conhecidos e antigos colegas da minha filha.



E, dentre essas surpresas legais, teve a do menino que correu para comprar "Anna e a Trilha Secreta", que ele tem de ler na escola (assim fiquei sabendo que o livro foi adotado de novo no Salesiano!) e a do rapaz que comentou ter comprado um livro da Editora Wish sobre contos de fadas. Ele mal acreditou quando lhe contei quem fez o prefácio. ;) 


Enfim, maio trouxe ótimas oportunidades de estar com o público, de conversar, de mostrar meu trabalho. Foi um ótimo "esquenta" para os próximos meses, nos quais teremos muito agito e incríveis novidades. Palavra de lobo -- ou, como dizem uns personagens muito gracinha da minha amiga Cláudia Du, juro pelas estrelinhas!

Continuem comigo! Eu chamo vocês. 

quarta-feira, maio 08, 2019

Um Poema de Paulo Leminski



Razão de Ser

Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece.
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?

Paulo Leminski

domingo, abril 07, 2019

Parceria Tabula Rasa : Quem Precisa de Heróis?

Pessoas Queridas,

Prosseguindo na divulgação dos demais parceiros na campanha #LivroBRNoCinema, do portal Tabula Rasa, venho apresentar o livro "Quem Precisa de Heróis?, da Vivianne Fair.




Neste livro, Sephira é uma jovem donzela que está fugindo, perseguida por dois encapuzados. Para a sorte da moça, quatro heróis estilosos surgem para salvá-la. Azar o deles se morrem por suas mãos.

São ressuscitados por um clérigo e têm que pagar uma taxa absurda. Como heróis não costumam ter dinheiro – fazem tudo de bom coração e com os conselhos de seus livros de auto-ajuda – resolvem ir em busca da jovem e receber a recompensa pela captura dela, além de salvar o mundo da ameaça que a moça representa: pode destruir tudo com um... espirro! 

De seu lado, a jovem logo encontra um elfo boa-pinta disposto a ajudá-la. Afinal, ela destruiu a sua aldeia e agora ele não tem nada melhor para fazer. De outro, um belo e poderoso feiticeiro, no melhor estilo vilão de RPG, deseja o poder de Sephira e procura seduzi-la. Envia à moça um ovo, que revela ser um enorme dragão vermelho voador cuspidor de fogo. Claro que isso desperta nela seu instinto maternal, e a jovem acolhe o dragão de quinze metros com muito carinho.

Quem está certo, no final das contas? Você teria alguma ideia de como impedir alguém que pode destruir o mundo na primeira TPM?

...

"Quem Precisa de Heróis" foi lançado numa campanha de financiamento coletivo. Eu participei e tenho o livro, que ainda não li -- mas tenho certeza de que ele é tão legal quanto os outros trabalhos da autora, que incluem sua série "A Caçadora", o romance "A Rainha Sombria" e o conto "A Elfa Maga", publicado na coletânea Magos, que organizei para a Editora Draco.

Esses e outros trabalhos da Vivianne -- inclusive suas ilustrações e tirinhas divertidas -- vocês encontram no site da autora, o Recanto da Chefa. Passem lá!

E até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

segunda-feira, abril 01, 2019

Parceria Tabula Rasa : A Vampira Nerd

Pessoas Queridas,

Prosseguindo na divulgação dos demais parceiros na campanha #LivroBRNoCinema, do portal Tabula Rasa, venho apresentar o canal A Vampira Nerd.


Sobre o canal, diz sua criadora, a gamer e designer gráfica Rebeca Monteiro:

“Sou apaixonada pelo mundo cinematográfico e aqueles filmes coreanos que dão o que falar. No meu canal, você pode encontrar informações como aqueles filmes que foram inspirados por livros, críticas de filmes e seriados e não esquecendo de falar dos poderes ou curiosidades dos seus super-heróis favoritos. Com uma paixão pelo mundo cinematográfico, criei esse canal para compartilhar ideias e conhecimento da cultura pop e cultura oriental.”

Eu não sou fã de dorama, então assisti a um vídeo da Rebeca sobre o filme "Diário de uma Paixão". Achei a análise muito interessante, favorecida pelo jeito espontâneo da blogueira. Foi bem legal a forma como ela abordou as diferenças entre o livro e o filme, uma coisa que nem sempre a gente vê - frequentemente vemos analisados só um ou só o outro. Esse foi um plus que encontrei e do qual gostei muito.

Assim, convido todo mundo a conhecer e a se inscrever no canal da Vampira Nerd -- ela tem muito a dizer e diz de um jeito bacana!

Até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

segunda-feira, março 25, 2019

Parceria Tabula Rasa : Ah, e Por Falar Nisso

Pessoas Queridas,

Eu sei, eu sei que este blog anda meio parado. São dezessete anos... Não há como manter uma produção constante. E este ano vai demorar um pouco para ter novidades, eventos, masssss... para agitar um pouco as coisas, venho anunciar que fechei uma parceria com o portal Tabula Rasa, que está com a campanha #LivroBRNoCinema .


Segundo suas idealizadoras, Anny Lucard e Louise Duarte, a campanha se propõe a divulgar livros nacionais com potencial para se tornarem filmes, bem como como prestar um serviço diferenciado, de baixo custo, focando a divulgação de autores nacionais ainda desconhecidos do grande público. Os blogs parceiros irão divulgar esses livros, e também uns aos outros, criando o efeito "teia" que tanto adoro quando se trata de partilhar cultura, literatura e informação.

O primeiro blog que divulgo aqui é o Ah, e Por Falar Nisso.... Criado em 2008 como um blog pessoal, tornou-se uma página que oferece informação, opinião e curiosidades sobre diversos produtos da cultura pop. Cinema, TV, literatura, música, comportamento nas ruas e na rede -- tudo isso tem espaço nesta página, criada pela jornalista Fabiane Bastos. Dei uma passeada no blog e encontrei artigos muito legais sobre séries e filmes que estão sendo lançados agora, escritos por uma blogueira antenadíssima. Vale a pena conferir!

Até breve, com mais uma divulgação da campanha #LivroBRNoCinema!

sexta-feira, janeiro 11, 2019

A Bruxa Meregilda


       Não é segredo pra ninguém que existem casas assombradas. Algumas podem dar dor de cabeça aos moradores – quando têm fantasmas de pessoas malvadas, por exemplo, ou aqueles monstros peludos que se escondem no armário – mas outros seres podem tornar a experiência bem divertida.

            O apartamento em que eu morava quando criança era assombrado por um duende. Ele era bonzinho, não brigava com ninguém nem fazia barulho, de forma que os adultos da família até esqueciam que estava em casa. Aí, quando ninguém esperava, ele fazia das suas, bagunçando os livros do meu pai ou deslizando um dedinho curioso pelo quadro recém-pintado da minha irmã.

            Eu também era alvo das travessuras do tal duende. Uma coisa que ele fazia era encolher minhas roupas, um tantinho por vez, de forma que depois de uns meses elas não cabiam mais. Também escrevia nos meus cadernos - eu tinha que comprar um novo toda semana. E cada história era mais doida que a outra. A maioria eu joguei fora, mas algumas guardei e ainda leio de vez em quando. Só pra lembrar de como era viver com aquele duende arteiro.
Quem me conhece sabe: os duendes não saíram da minha vida.
Os cadernos também não.


            À medida que eu crescia, ele foi ficando mais discreto, mas ainda aparecia de vez em quando. Nos fins de semana, minha mãe ficava acordada até tarde, e jura que escutava o duende entrar em casa pé-ante-pé. Isso só acabou depois que me casei e fui morar em Portugal. O duende sumiu na mesma época, e, pelo que sei, meus pais e minha irmã sentiram muita falta dele.

            Não sei se os lugares onde morei depois eram assombrados. De vez em quando o banheiro ficava alagado ou o bife queimava, mas essas provas não são suficientes. Além do mais, minhas roupas passaram a servir durante anos e ninguém escreveu uma linha sequer nos meus cadernos. Minha vida era bem mais tranqüila do que antes. Mas não tão divertida.

            Então, algum tempo depois de eu ter mudado para o meu novo apartamento, comecei a perceber uma presença estranha. Não era um duende nem um monstro. Só descobri o que era algum tempo mais tarde, quando minha filha Luciana tinha uns três anos. Foi aí que a bruxa começou a nos visitar.

Luciana aos cinco anos, quando já era
grande amiga da Meregilda. ;)

            Eu disse bruxa, sim, mas fiquem calmos. A maioria das bruxas é do Bem, pelo menos quando a gente é legal com elas. O que lhes dá má fama é o fato de que não são pessoas comuns. Podem se vestir, falar e agir como todo mundo, mas, olhando bem, dá pra ver que lá no fundo elas são diferentes. Isso assusta mais do que vocês podem imaginar.

            Seja como for, a bruxa apareceu numa noite de chuva, quando a Luciana não estava querendo ir se deitar. Eu já tinha insistido, oferecido leite quente e cantado musiquinhas pra ela, e nada. Fui ficando impaciente, cheguei a contar um-dois-três, e mãe quando conta um-dois-três pode apostar que a coisa é séria. Mesmo assim, ela ainda não queria dormir, e eu ia começar a brigar quando, de repente, quem foi que surgiu do nada e se intrometeu?

            Pois foi ela mesma, a bruxa. E era uma bruxa até simpática, só que muito séria. Cruzando os braços, ela olhou para a Luciana e disse que se chamava Meregilda; que dormia durante o dia e acordava às nove da noite, e que, a essa hora, as crianças tinham que ir para a cama. Luciana fez uma cara meio de medo, meio de choro, e foi então que a Bruxa Meregilda propôs fazer um trato com ela.

            Vocês sabem que as bruxas fazem tratos, não é? Sua voz em troca de um par de pernas, seu bebê por um repolho e coisas assim. Mas a proposta da Meregilda foi mais simples. Foi o seguinte: a Luciana ia logo pra cama e a bruxa contava uma história pra ela. Uma história emocionante, mas não assustadora. E que fazia ter ótimos sonhos.

            Ouvindo isso, a Luciana se animou, mas ainda estava em dúvida e olhou pra mim. Como a essa altura eu já tinha percebido que a bruxa era legal, falei que ela devia experimentar, e lá se foram as duas de mãos dadas para o quarto.

            E o que aconteceu? Aconteceu que a Meregilda contou uma história ótima. Ou talvez nem fosse tão boa, e sim apenas uma história maluca feito aquelas do duende. Só que a bruxa contava de um jeito engraçado, e ainda dava um jeito de aproveitar as coisas que a Luciana dizia no meio. E quando, depois de muita contação e muita risada, minha filha pegou no sono, o sorriso dela me deu a certeza de que aquela era a primeira de uma longa série de histórias.

            A partir daí, a Bruxa Meregilda voltou várias vezes. Nem sempre tinha histórias novas, então repetia uma que tivesse feito sucesso ou pegava emprestado num livro. Com o tempo, a Luciana também aprendeu a ler, e as duas liam em voz alta uma para a outra. Na verdade, fizeram isso ontem mesmo, e algo me diz que vão fazer hoje de novo. Porque, se vocês pensam que a Meregilda foi embora depois que a Luciana cresceu, podem tirar o cavalinho da chuva! Ela continua por aqui. E pelo jeito não vai embora tão cedo.

E não vai mesmo. Ela está a todo vapor. Na Bienal 2017, por
exemplo, foi vista em companhia de jovens escritores, como
Danilo Sarcinelli.
            E sabem o que mais? Eu acho que nos últimos tempos ela anda se encontrando com o duende, aquele de quando eu era criança, e trazendo ele escondido aqui em casa. Quem mais teria feito uma história tão doida como esta aparecer no meu computador?