terça-feira, fevereiro 22, 2011

A Memória Vegetal


Por estes dias chegou-me às mãos esta (mais ou menos) nova obra de Umberto Eco, que tantas vezes escreveu sobre questões ligadas ao livro e à sua história. O mais conhecido é sem dúvida o romance O Nome da Rosa, mas os interessados no tema deveriam conhecer as obras de não-ficção, como o curto e objetivo A Biblioteca e o recente Não Contem com o Fim do Livro, escrito em parceria com Jean-Claude Carrière, no qual os autores defendem a permanência do livro impresso apesar do E-Book, do Kindle e de todas as tecnologias de informação surgidas e ainda por surgir.

Neste A Memória Vegetal - título surgido a partir da materialidade dos livros, inclusive em formas anteriores aos códices, quando eram feitos de papiro - Eco volta a afirmar que o livro impresso tem um lugar insubstituível em nossa civilização, discorrendo ainda sobre as bibliotecas, o colecionismo, a bibliomania e vários outros tópicos que percorre ao mesmo tempo com erudição, clareza e bom-humor. Também não faltam revelações, desmistificações e curiosidades acerca do mundo dos livros e das edições, bem como uma pitada (aliás generosa) da fina ironia de Eco. Vocês, que como eu já devem ter escutado a pergunta infame de uma visita, "Mas você já leu todos esses livros?" na certa se sentirão vingados diante das três opções, do tipo "tolerância zero", apresentadas pelo autor como resposta.

Ou pelo menos darão uma boa risada. ;)

Grande abraço, espero que curtam a dica!

Ana

2 comentários:

Ana C. Nonato disse...

Olá!

Adoro Eco, e infelizmente não tenho encontrado este livro para leitura. Creio que deva ser realmente muito bom!

Abraços!

Lucas L. Rocha disse...

Não conhecia esse livro, mas acho a discussão dele e do Carrière no _não contem com o fim do livro extremamente bem-humorada e relevante. Assim que esbarrar com esse livro por aí darei uma olhada, obrigado pela dica :)